Negócio de saúde mental usa inteligência artificial para detectar problemas

Negócio de saúde mental usa inteligência artificial para detectar problemas

Assistente virtual Vitalk usa robô para conversar com usuários e detectar problemas como depressão e ansiedade; solução permite que empresas disponibilizem check-up digital para funcionários

Maure Pessanha

11 de dezembro de 2019 | 09h12

Cerca de 12 milhões de brasileiros e brasileiras sofrem de depressão, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Em termos comparativos, temos a maior taxa da América Latina e a segunda maior das Américas. O transtorno de ansiedade, por sua vez, acomete 9,3% da população, fazendo do País o mais ansioso do mundo.

O número de pessoas em sofrimento psíquico é muito alto e a busca por tratamento adequado e especializado esbarra em dois desafios: o estigma da doença mental e o alto custo, sobretudo para a população em situação de vulnerabilidade econômica. Um empreendedor social que nasceu na Rússia, cresceu no Canadá e cursou uma universidade nos Estados Unidos enxergou o problema e desenvolveu uma solução acessível.

Quando decidiu morar no Brasil, Michael Kapps conta que o País parecia, à primeira vista, o lugar mais feliz do planeta. Passados alguns anos, ao identificar a crise da saúde mental local, decidiu criar – dentro da TNH Health, empresa pioneira na criação de chatbots de saúde com o uso de inteligência artificial – uma ferramenta que tem por foco o monitoramento e a melhoria da saúde mental dos usuários.

A Vitalk, lançada em 2019, atua com a assistente virtual Viki, destinada a falar com os usuários sobre depressão, ansiedade, burnout e sono. A solução oferece conteúdos constantemente atualizados por uma equipe de profissionais das áreas de psicologia, enfermagem, medicina, design e ciência de dados.

A assistente virtual da Vitalk, Viki, que conversa com usuários sobre doenças como depressão. Foto: Reprodução

A versão gratuita do serviço – disponível em português via Facebook Messenger e aplicativos – já foi usada por mais de 30 mil pessoas. A TNH Health tem trabalhado para que a Vitalk se torne uma solução completa de assistência médica primária, com conversas digitais que abarcam de saúde mental a doenças crônicas e gravidez.

A solução não é um diagnóstico, tampouco tem o objetivo de substituir uma consulta médica ou a terapia, mas se propõe a ser uma maneira acessível e eficiente para problemas cotidianos de saúde e bem-estar. Em uma amostra com 1.269 usuários, os programas da Vitalk diminuíram, após um mês de uso, de 62% para 22% o número de usuários com alto risco de transtorno de ansiedade; de 47% para 27% os com alto risco de depressão.

Para escalar o acesso à saúde mental de forma sustentável, além da versão gratuita, a TNH Health oferece chatbots para empresas que queiram apoiar a saúde mental dos colaboradores. A solução permite que as companhias disponibilizem um check-up de saúde mental para os funcionários, realizado totalmente por meios digitais.

O russo Michael Kapps, fundador da Vitalk. Foto: Guilherme Ruiz

A Vitalk fornece, ainda, uma maneira de identificar riscos e encaminhá-los para o tratamento adequado de forma eficiente – sempre preservando o sigilo individual do colaborador que participa do programa.

Como um todo, a proposta da TNH Health é que a Vitalk seja a assistente virtual de saúde do brasileiro, começando pela saúde mental e avançando para outros temas. Na visão do empreendedor, resolver os problemas de atenção primária – como doenças crônicas, por exemplo – só será possível se dermos atenção à saúde mental dos brasileiros, ou seja, se tratarmos os problemas psicológicos e sociais subjacentes.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: