Não devemos ser apenas sementes, precisamos evoluir sempre, e isso também ocorre na empresa

Daniel Fernandes

24 de abril de 2014 | 06h43

Rafael Mambretti escreve toda quinta-feira
Semana passada escrevi sobre dois probleminhas chatos (e corriqueiros), que podem consumir demasiadamente o nosso precioso tempo. Exemplifiquei com dois casos reais: telefone e internet.
Comentei que traria para vocês o que foi resolvido. Depois de perder quase um dia de trabalho, foi (não tão simples assim), acertar a configuração do router e pronto! A ‘internet’ voltaria a funcionar normalmente, pergunte-me se estou 100% certo que ela continuará funcionando? Não, não estou. É incrível como essas coisas podem – continuamente – nos surpreender e simplesmente pararem de funcionar. Ah! O telefone? Decidimos cancelar o plano e pegar um novo número em uma outra operadora.
Reforcei o aprendizado de que perder muito tempo com pequenas decisões é prejudicial para o todo. Trocar mais de um e-mail com decisões não relevantes para o negócio é sinal de problema. As causas podem ser várias, mas é preciso ter foco e discernimento para escolher onde atacar e a intensidade.
Vejam, vivenciamos o desafio de ‘crescer’, para isso mudar o papel dos sócios dentro da empresa é importantíssimo. Por mais que Eu goste, não sou Eu quem deve pedalar e fazer as entregas de nossos clientes. Isso já foi, agora, é muito mais importante (para a empresa, para as pessoas que trabalham nela, para os nossos clientes, para o planeta etc) que Eu desempenhe outra função.
É difícil, mas precisamos quebrar o conceito de que algumas atividades somos nós (empreendedores), que devemos fazer. Como na vida, cumprimos papéis diferentes em determinados momentos, começamos como bebês (filhos), crescemos e viramos pais, depois avós. Nossos papéis mudam (evoluem) ao longo de nossas vidas, por que em nossas empresas seria diferente?
Se uma semente resolver sempre ser uma semente ela nunca se tornará uma árvore, nunca nos dará sombra, frutos, fragrâncias ou flores. Pensem nisso. Até a próxima.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: