Marketing bom é o marketing verdadeiro

Daniel Fernandes

28 de outubro de 2014 | 06h00

Semana passada, uma reportagem publicada no site da revista Exame caiu como uma bomba no setor de marketing de algumas marcas que sempre admiramos – e inclusive citamos como inspiração em nosso blog, Diário do Queijo -, como a Diletto e a Do Bem. Na matéria, a jornalista Ana Luiz Leal afirma que esses e outros empreendimentos estavam “inventando” histórias para criar mais apelo em torno de seus produtos. A reação do público foi imediata e muito negativa, com enxurradas de críticas nas redes sociais das empresas, que tiveram de se explicar através de notas oficiais, nas redes sociais aonde tem presença e em entrevistas para outros veículos.
No caso da Diletto, a fantasia dizia que o avô de um dos fundadores da marca teria sido sorveteiro na Itália, antes de fugir da guerra e vir morar no Brasil. Sr. Vittorio, cujo nome real era Antonio, na verdade, era paisagista. Até mesmo a história do slogan da marca, “La felicità è un gelato”, que segundo a empresa seria dita por ele com frequência em casa, era falsa. Importante, neste caso, foi que os sócios já admitiram publicamente que adotavam esta estratégia em uma entrevista para a Veja SP.
Sem dúvida, uma história bonita ajuda a vender um produto. Mas, se ela não for verdadeira , não se sustenta a longo prazo. Agora, a frente da Alimentos Pomerode, contamos com um produto que tem 65 anos de história. O Kraeuterkaese, nosso creme de parmesão, foi introduzido pela Cia. Weege na década de 1940. A frente da produção, durante toda a sua história, estava o Sr. Guilherme Ziehlsdorff. O produto saiu do mercado na década de 90, quando a Cia. Weege foi à falência. Foi aí que seu filho, Sr. Nelson Ziehlsdorff e seus netos fundaram a Laticínios Pomerode, em 2002, para homenageá-lo e trazer o Kraeuterkaese de volta ao mercado. Uma bela história de dedicação e paixão pelo produto.

Guilherme Ziehlsdorff, pai e avô dos fundadores da Laticínios Pomerode, na produção do Kraeuterkaese
Desde que resolvemos entrar no mercado de queijos especiais, buscamos vivenciar situações muito interessantes, como nossa viagem pela Suíça para conhecer queijos inspiradores, e nosso curso em Vermont, nos Estados Unidos, onde aprendemos a produzir queijos de maneira artesanal. Assim, estamos criando nossa própria história para este novo empreendimento, sem precisar inventar ou florear. Na nossa opinião qualquer estratégia de marketing tem que ser honesta, correta e verdadeira.
Bruno e Juliano fundaram a Cervejaria Eisenbahn, um pub inglês em Blumenau e agora, à frente da Alimentos Pomerode, trabalham na criação de uma marca de queijos especiais. Escrevem todas as terças aqui no Blog do Empreendedor.
 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: