Inovar para vencer a crise

Daniel Fernandes

19 de outubro de 2015 | 06h16

A crise é constante desde o início do universo. É a mola propulsora do desenvolvimento e do empreendedorismo
Marcelo Pimenta é jornalista, professor de inovação da pós-graduação da ESPM e fundador do Laboratorium
Nossa história começa com uma crise, uma grande crise. Uma super explosão. Há cerca de 13,8 bilhões de anos o Big Bang espalhou partículas por todo o universo. E desde lá as transformações são sucessivas. Períodos gigantes de escuridão, expansão, detonações vieram a dar origem aos elementos químicos, que se combinaram lentamente para formar a matéria, que hoje dá origem a tudo que conhecemos, desde nosso corpo até cadeiras, árvores, pedras e tablets (“we are made starts” cantaria Mobi). Depois da criação da Terra, terremotos, inundações, congelamentos e aquecimentos foram moldando o nosso relevo e clima criando as condições para a criação da vida.
E bem mais recentemente, há 65,5 milhões de anos, um meteoro atingiu a terra e extinguiu os dinossauros. Essa crise permitiu que os pequenos mamíferos, alimentos permanentes dos dinossauros, saíssem do subsolo e das cavernas e se desenvolvessem para dar origem aos primatas.

E a crise do frio que gerou a descoberta do fogo.
A crise das distâncias promoveu a construção do barco.
E a crise da pressa exigiu que se inventasse o avião e os jatos.
E a crise da necessidade de um padrão único de comércio fez com que se criasse a moeda e os bancos.
E a crise dos serviços gerou hotéis, lavanderias, assistências técnicas.
A crise de encontrar as informações propiciou o Google, a saudade e a vaidade fizeram surgir o Facebook,  a necessidade de backup de arquivos fez surgir o Dropbox e assim vamos vivendo,  empreendendo e inovando sem parar. Como Charles Darwin ensinou, nossa evolução é protagonizada por aqueles que mais têm capacidade de se adaptar.  Inovar é o que nos faz sobreviver e é a resposta para todas as crises.
A crise é o momento em que se buscam novas opções. Se a empresa não conseguir se renovar para oferecer novidades, vantagens e benefícios, estará dando a chance para que um concorrente ofereça sua oferta. A crise é a oportunidade para que fornecedor/cliente repensem sua relação.
A crise está fazendo com que os consumidores repensem os custos da televisão paga tradicional (cabo e satélite) e optem cada dia mais pelo Netflix.
A crise está fazendo com que os gourmets comecem a abrir suas casas para jantares compartilhados.
A crise vem fazendo com que os cidadãos compartilhem seus carros oferecendo caronas.
A crise vem permitindo que os consumidores voltem a consumir produtos da indústria nacional, que não depende do dólar (aliás, quem acha que o dólar a quatro reais é o fim do mundo, pode aproveitar o momento para refletir sobre essa cotação no contexto histórico da humanidade).
A crise vem permitindo que startups tenham a chance de oferecer produtos e serviços inovadores como substitutos ao jeito tradicional de resolver problemas. As cooperativas de táxi ficaram na zona de conforto por quarenta anos, para que em cinco anos os aplicativos reorganizassem o mercado, dando a chance para o surgimento de modelos disruptivos (como o Uber). Sim, as cooperativas de táxi estão em crise pois seu modelo de negócio foi colocado em cheque.
Uptade or die.
Nada é permanente, exceto a mudança (Heráclito).
Aproveite a crise para renovar seu produto, rever seu preço, pensar em novos canais de distribuição, buscar novos parceiros, analisar e atender novos segmentos de mercado, repensar sua forma de relacionamento, voltar a ligar para os que foram seus clientes anos atrás … São muitas as ações possíveis. Use a crise como combustível para chegar onde você quer estar.
“Como inovar para vencer a crise” é o tema da palestra que realizo esta semana na programação da Semana de Ciência e Tecnologia. Até a redação desse post, o site do evento, que acontece simultaneamente em todo o país, já reunia 26.238 atividades programadas em 634 cidades brasileiras.  A programação completa você pode ver aqui http://semanact.mcti.gov.br/. Minha participação será no Mato Grosso. Dia 21/10/2015, quarta-feira, em Nova Mutum  – na ACENM/CDL (Av. das Araras, 99W) e no dia 22 em Lucas do Rio Verde – no  Hotel Odara (Av. Universitária, 408 W). As palestras são gratuitas numa promoção do Sebrae-MT.
Caso você não possa participar e queira saber mais sobre esse tema e como essa palestra pode te ajudar a ver a crise com outros olhos, entre em contato pelo e-mail menta@laboratorium.com.br ou acompanhe a programação em http://www.facebook.com/menta90.
PS – As fontes sobre a formação do universo são da refilmagem do documentário Cosmos, disponível no Netflix, onde o astrofísico Neil deGrasse Tyson revisa as principais pesquisas sobre o assunto a partir do original produzido por Carl Seagan em 1980.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: