Errar é humano. Mas a correção é questão de bom senso

Daniel Fernandes

13 de maio de 2015 | 10h33

Leo Spigariol escreve toda quarta-feira no Blog do Empreendedor
Fico impressionado com a falta de comprometimento de muitos fornecedores e prestadores de serviços. Falta de comprometimento, não; falta de bom senso. Acho que as estruturas comerciais enrijecem as relações humanas de uma forma tão robótica que o bom senso vira artigo de luxo. E, frequentemente, nos deparamos com situações que beiram o extremo, tanto para o positivo quanto para o negativo.
::: Leia também :::
McDonald´s sofre a maldição do próprio sucesso
Marcas de sucesso lutam para sobreviver
Como ficar milionário mesmo na crise
O McDonald´s não vende hambúrguer
Ontem, por exemplo, presenciei uma longa discussão ao telefone em que uma conhecida empresa de banners e estruturas modulares de balcões se isentava da responsabilidade de seu produto ter chegado ao destino com avaria. Detalhe: o material tinha sido enviado por uma transportadora escolhida por ele. Chegou ao ponto do fabricante dizer que o cliente poderia ter feito a avaria de propósito. A miopia é tão grande que a responsável comercial, que nos atende, não conseguia – ou não queria – entender que aquele material seria usado em um evento no final de semana.
Então não há lógica na tal “sabotagem” feita pelo cliente. Mas, sem nos adentrarmos nas questões legais que podem derivar de um caso desse, a questão do bom senso é algo que vem sendo perdida, esquecida em algum lugar do passado distante, infelizmente.
Lembro-me de uma de minhas experiências mais positivas no mundo empresarial e que marcou minha vida profissional. Certa vez, fui jantar no Dui, restaurante da chef Bel Coelho, e, como era de praxe, serviço impecável e a comida fantástica. Ao fim, no momento de pagar a conta, o sistema de cartões acabara de sair do ar. Prontamente a gerente veio até a mesa e me disse: “Fique tranquilo, senhor. O problema é nosso. Então sinta-se à vontade em voltar quando for melhor para acertar a conta”. Viva o bom senso! Voltei dois dias depois para acertar o devido e aproveitar para almoçar.
E por aqui o bom senso também é a melhor forma de tomar uma decisão, quando há uma situação crítica. Ontem uma cliente fez uma compra online em nossa loja e, por um problema de digitação, uma informações sobre a conta de depósito estava errada. Não deu outra: a cliente ficou vinte minutos na fila do banco e não conseguiu efetuar o pagamento. E, sem a menor dúvida, enviaremos seu pedido sem custo algum, como uma forma de desculpas pelo ocorrido. Afinal, o tempo de nosso cliente e bom senso não tem preço.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.