Empreender é ter paciência, a mesma usada para fazer brigadeiro

Daniel Fernandes

26 de junho de 2013 | 07h39

A excelência está nos detalhes

Não adianta reclamar. Quando você é o dono de um negócio suas responsabilidades aumentam. A solidão também. São tantas demandas diárias, decisões importantes, que fica difícil terminar o dia sem a sensação de que ele foi curto demais.
Eu poderia passar todo o tempo que eu não tenho explicando o quanto difícil é administrar uma empresa. Mas não vou fazer isso. Já aviso também que não sou uma reencarnação da Pollyana, mas tento ver o lado positivo das coisas.
Conduzir um negócio e esperar dele excelência em todos os departamentos é um exercício diário de paciência. Sem paciência, é fácil meter os pés pelas mãos. E é se apropriando dela, como aliada e não inimiga, que um empreendedor consegue distinguir com mais facilidade os projetos bons dos que não vão levar a nada.
Fica mais fácil de visualizar, também, o médio e o longo prazo – visões, essas, que podem contribuir muito para a formação de uma empresa e marca sólida. No dia a dia, basicamente, fazer o bom uso dela consiste em não tentar resolver tudo às pressas, sem atenção aos detalhes. E são nos detalhes que a excelência de uma empresa é testada pelo cliente.
A equação é difícil. De um lado, o mundo cobra agilidade. Do outro, você sabe o que fazer e sacrificar para ser ágil, mas não sabe se a ação vai gerar resultados. Nessas horas, só com paciência para avaliar que passo tomar sem deixar as portas da sua empresa abertas para que a ansiedade corporativa se instale.
Se ela entrar, a primeira malvadeza que fará quando instaurada será sabotar o seu padrão de qualidade, seja de um produto ou serviço. Se você deixar, adeus excelência e respeito dos clientes. Contar até 10 não funciona no mundo dos negócios. E nem é isso que deve ser feito na minha modesta opinião.
Quando procuro respostas, miro o foco no que me fez empreender: o brigadeiro. O doce exige paciência em todas as fases de preparação da receita (fogo baixo; mexer sempre a massa para não grudar no fundo da panela; deixar esfriar para bolear, confeitar e embalar). Ignorar o passo a passo da receita pode resultar num desastre culinário. Ignorar os detalhes, lugar onde a excelência busca abrigo, é desistir de fazer o melhor. Seja por uma receita de doce ou pelo sucesso de uma empresa.
 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.