E quando você precisa esperar quatro meses por um cartão de crédito corporativo?

Daniel Fernandes

05 de fevereiro de 2013 | 08h57

Renato fala sobre assunto comum aos empreendedores

Startups, principalmente as de tecnologia, têm um ciclo de vida um pouco diferente de outras empresas e isso faz com que algumas vezes passemos por dificuldades.
Uma das características desse tipo de empresa é o que se chama stage finacing, que usa recursos de investidores profissionais para testar e validar o modelo de negócios – você pega mais rounds de investimento para escalar e crescer o negócio.
Quase sempre, nesse tipo de empresa, você já tem muitos custos antes de ter um negócio rentável.
Muitas das coisas que contratamos são SAAS (software como serviço), que são fornecidos geralmente por empresas estrangeiras. Usamos ferramentas para manter nossos servidores, sistemas de controle de versionamento e até para o programa de relacionamento com clientes. E todos esses serviços requerem que você pague usando um cartão de crédito.
::: Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

Conseguir um cartão de crédito, em um banco, para uma empresa nascente é uma tarefa que parece fácil, mas é quase impossível!!!
O nosso demorou cerca de quatro meses para sair. Como não se tem histórico de faturamento, não é possível ter crédito. Depois de muito conversar com o gerente, conseguimos a façanha. Obter um bom limite de crédito é outra façanha.
Como grande parte dos nossos gastos são no cartão, temos que ter um limite mais alto.  Eu entendo que  o banco coloque um limite, e que este limite seja atrelado a faturamento. Mas para startups isso faz pouco sentido. Depois de recebermos o nosso investimento, por exemplo, tínhamos uma quantia enorme de dinheiro aplicado no banco, mas ainda não tínhamos um faturamento muito grande e mesmo assim o limite do cartão não aumentava.
Eu cheguei a argumentar com o gerente do banco, pedindo para que ele bloqueasse parte do nosso investimento e o usasse como garantia para aumentar o limite. Mas parece que isso não faz parte da politica dos bancos. A solução que adotamos? Pagar o cartão duas a três vezes ao mês. Ridículo, não?

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: