Depois do iPad, o guardanapo

Daniel Fernandes

08 de maio de 2013 | 07h48

Onde achar solução para os seus problemas?

Disse aqui, em um dos primeiros textos que escrevi, que a Maria Brigadeiro nasceu sem business plan, mas não é verdade. Esta semana, arrumando as gavetas do escritório, achei uma coleção de guardanapos de cafés, bares e restaurantes onde rabisquei os principais passos para transformar uma ideia em uma empresa.
Foi entre uma conversa e outra, agitada por um café ou relaxada por uma taça de vinho, que tracei em linhas tortas o que veio a ser a estratégia do negócio, desenhando desde os custos que teria com o projeto até a vitrine onde hoje exponho meus brigadeiros.
Me deu uma nostalgia daquele tempo errante em que não havia uma sala cheia de emails esperando por mim e eu podia me deixar ficar uma tarde inteira por aí, tricotando com as minhas idéias. Domenico Demasi e grandes empreendedores já cansaram de dizer que os insights para solucionar os maiores problemas surgem em situações de descontração, ou seja, beeem longe do ambiente corporativo.
Tento sempre me lembrar disso quando estou trancafiada dentro de uma sala de reunião com luz branca, quebrando a cabeça para decodificar uma planilha. As vezes fico pensando baixinho que aquela conta de padaria feita no guardanapo do Frevinho um dia já me foi mais útil do que a equação newtoniana saída da HP do meu financeiro. Uma amiga querida, que dá um curso muito interessante de gestão de empreendimentos culturais, me disse numa festa (e não no trabalho) que organização demais faz mal para as ideias e que é preciso um pouco de caos para que surja uma solução criativa.
Se isso faz sentido para você, um bom começo é cabular o trabalho, passar uma manhã numa livraria tomando um café com chantilly e folheando o livro The Back of the Napkin (o verso do guardanapo, numa tradução livre), no qual o autor defende a teoria do pensamento visual, demonstrando como um simples rabisco num guardanapo pode ser a solução para aquele problema que ninguém na empresa consegue resolver.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: