Cultura empreendedora e solução de problemas sociais são tema de semana global

Cultura empreendedora e solução de problemas sociais são tema de semana global

Semana Global de Empreendedorismo, de 18 a 24 de novembro em todo o País, abre espaço para diferentes formas de empreendedorismo, incluindo o da periferia, que usa a vulnerabilidade para criar soluções inovadoras

Maure Pessanha

13 de novembro de 2019 | 10h13

Vivemos um momento que pede novos arranjos e modelos para responder aos desafios complexos de uma sociedade que não está sendo capaz de oferecer oportunidades iguais a todos os cidadãos. Há quase 15 anos, a Artemisia enxergou no empreendedorismo de impacto social uma forma de materializar a transformação necessária à vida das pessoas. Apoiar empreendedoras e empreendedores – de realidades distintas – motivados a trazer mais dignidade e acesso àqueles que vivem em situação de vulnerabilidade econômica tornou-se o grande foco do nosso trabalho para fazer parte da transformação.

Acredito ser importante contextualizar que não defendo que empreendedorismo seja a resposta isolada aos grandes desafios com que nos deparamos, que resolverá todos os problemas sociais ou que substituirá a atuação do poder público. A solução de problemas da magnitude que temos no Brasil está na construção de ações conjuntas, articuladas e implementadas por alianças estratégicas entre vários setores e atores, sendo o empreendedor uma dessas peças-chave.

E como o empreendedor pode auxiliar nesse novo modo de pensar e agir em prol de um bem maior? Na minha visão, empreender é ter a capacidade de construir soluções que possam impactar positivamente a vida das pessoas e o ambiente, é enxergar possibilidades em situações de escassez transformando-as em abundância, é criar inovações sociais e usá-las como instrumentos de protagonismo.

A força óbvia do empreendedorismo está em gerar valores importantes para a sociedade – como emprego e renda –, entretanto, quando pensamos no empreendedorismo de impacto social, os ganhos vão além, porque está associado a novas formas de se debruçar sobre problemas complexos; um fazer inovador, criativo e interessado em endereçar questões com pragmatismo e sustentabilidade. Hoje, com muitos anos de atuação e aprendizado dentro da organização, enxergo o quanto o empreendedorismo é uma ferramenta poderosa de transformação em diversos sentidos, indo além do que muitas vezes se vê.

Os sócios da Enjoy Orgânicos, negócio que funciona na periferia da zona sul de São Paulo. Foto: Valéria Gonçalvez/Estadão

Essa ideia de transformação é muito bem ilustrada pela frase “Empreender é viver o futuro hoje”, tema da edição 2019 da Semana Global de Empreendedorismo (SGE). Criado em 2007 com o objetivo de fortalecer e disseminar a cultura empreendedora, o movimento está presente em mais de 170 países, inclusive o Brasil – onde só no último ano reuniu 670 instituições e contou com mais de 1 milhão de participantes. A Artemisia é uma das apoiadoras dessa iniciativa que irá contar com uma programação ampla de 18 a 24 de novembro, em todo o País.

A SGE abre espaço para diferentes formas de empreendedorismo e acredito que seja o momento propício para reconhecermos também o empreendedor da periferia, que tem utilizado o poder da vulnerabilidade para criar soluções inovadoras em diversas comunidades pelo País. Entendo ser fundamental apoiar e dar visibilidade à força transformadora que vem de pessoas que vivem as dores reais produzidas pela falta de oportunidade e acesso; cidadãos que sobrevivem e desafiam, cotidianamente, a desigualdade socioeconômica do País.

Essa inovação empreendedora das periferias nasce de uma experiência concreta que – ao transformar a realidade de escassez em abundância criativa e de resistência – fortalece todo o cenário de empreendedorismo de impacto, alimenta o sonho e a luta em busca de dignidade. Vamos celebrar o empreendedorismo múltiplo, que nasce de diferentes contextos. Vamos celebrar o empreendedorismo da periferia.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: