Comunidade como uma marca

Daniel Fernandes

19 de maio de 2015 | 06h05


Na semana passada falamos sobre a Red Bull e seu marketing de experiência. Hoje vamos falar sobre outra empresa, dessa vez brasileira, que também  é adepta de projetos e ideias que causem boas sensações aos seus clientes. A FARM, marca feminina de roupas, criada em 1997 no Rio de Janeiro, tem muito forte em seu DNA a ideia de criar cenários que permitem experiências sensoriais e emocionais aos seus clientes.
Embora o significado de seu nome seja fazenda, a essência carioca da rede de lojas remete aos clientes a ideia de praia, flores, leveza, cores e estampas. Considerada uma das primeiras marcas de moda jovem do Rio, a FARM surgiu em uma feira no Rio de Janeiro, que reunia marcas alternativas. O pequeno espaço, de quatro metros quadrados, foi o pontapé inicial da empresa que começou com um investimento de R$1.200,00 e que hoje possui mais de 40 lojas em todo o país, cerca de 300 pontos de venda multimarcas e um canal importante de e-commerce.

Outra característica que chama a atenção é a maneira como a empresa lida com seu público-alvo através do meio online. Sabendo que grande parcela de seus clientes são mulheres jovens, adeptas das redes sociais e muito próximas das novas tecnologias, a empresa criou um blog chamado Adoro!, tem grande interação nas redes sociais (com milhões de seguidores) e, inclusive, foi a primeira marca de roupas brasileira a lançar um aplicativo para o iPhone. O intuito, além de criar uma maior proximidade entre empresa e clientes, é criar uma comunidade FARM. Mais do que vender roupas, eles se propõem a vender um conceito e o “estilo de vida FARM”.
Para a empresa, a principal missão é emocionar as pessoas, trabalhando com os desejos e as vontades dos clientes.
Analisar o case da marca e entender melhor como a FARM foi estruturada e como ela opera, nos faz refletir sobre o conceito de comunidade e em como aplicar isso para as demais empresas, de outros setores e em outras realidades. Ter seus clientes engajados é uma maneira forte de ampliar o público e saber usar uma comunidade ampla, mas sem perder a essência do negócio, pode ser uma boa estratégia para sua empresa crescer, principalmente para as que lidam diretamente com os consumidores.

Tudo o que sabemos sobre:

Bel PesceBlog do EmpreendedorEstadão PME

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.