Como vender agora em novembro e depois de novo no Natal

Como vender agora em novembro e depois de novo no Natal

Escolher produtos para as promoções, definir a duração das ofertas e regular o porcentual de desconto são estratégias que aquecem vendas e limpam estoques no fim de ano; veja dicas

Ana Vecchi

04 de novembro de 2021 | 15h22

Há empresas que sentem, na temporada de compras que antecipam as vendas de Natal, a perda das vendas de dezembro, exatamente quando o 13º salário pesa no contas a pagar, somado ao 13º aluguel dos shopping centers, às campanhas e à ambientação das lojas com Papai Noel, entre vários outros pontos que aumentam custos e investimentos para trazer maior faturamento. Muitos consumidores aprenderam a planejar as compras de viagens, passagens, eletrônicos, acessórios e vestuário que servem para o verão ou renovar o guarda-roupas, além de antecipar as compras para presentear no Natal. 

Portanto, não há como deixar de pensar que a Black Friday impacta, de alguma forma, as redes franqueadas que vivem de um varejo estimulado por datas festivas, sazonal e que busca se recuperar aproveitando e criando todas as oportunidades possíveis.

A omnicanalidade oferece mais pontos de contato com os clientes, as marcas estão atuando fortemente para que a jornada do consumidor seja melhor a cada dia e sabemos que o comércio eletrônico tem, na Black Friday, uma excelente vitrine. E o que parece clichê de que a concorrência está a um clique na tecla Enter torna a concorrência mais ameaçadora, ainda que o mercado de atuação tenha se ampliado.

Há que se aproveitar a Black Friday, em seu potencial positivo, como dar baixa em estoque de produtos que estão entulhando prateleiras, os com validade que no Natal já teriam perdido mais um mês, os sazonais para aproveitar e queimar estoque ou “antecipar o que será usado em 2022” (Cá entre nós: não vendi neste ano, mas é bom para o ano que vem também. Sabe assim?!). 

Segundo Renata Rouchou, da Casa Bauducco, serão 4 dias de ofertas na rede na Black Friday, esquentando as turbinas para o Natal. Foto: Divulgação

Criar carteira de clientes, chamar de volta os que se foram, estabelecer relacionamento e mostrar que a marca sabe, realmente, quem é cada consumidor é outro fator que não pode ser deixado de lado de forma alguma. Inconcebível, eu diria!

Não use como justificativa mais um obstáculo a ser vencido! O rol de problemas anda extenso e temos que pensar em soluções, o básico pode ser muito criativo quando muita empresa ainda anda batendo cabeça, sem saber quem são seus clientes, o que pensam, gostam, não suportam ou nem sabem o que a marca vende. Comunicação é parte do segredo do sucesso. 

Há marcas e produtos que não se abalam com a Black Friday ainda que o topo de vendas e lembrança das marcas tenham um histórico vinculado a datas como Páscoa, Natal ou outras. Penso em algo como colomba pascal e panetone, ovos de Páscoa e caixas de bombons, vinhos  e espumantes, brinquedos. 

A Renata Rouchou, diretora de expansão da Casa Bauducco, me explicou como lidam com a data na rede: “A Black Friday é bastante significativa para a Casa Bauducco, unidade de negócios da Pandurata Alimentos com foco em produtos forneados artesanais, tanto que preparamos quatro dias de ofertas para a data, com promoções especiais em algumas linhas e produtos. Os itens promocionais chegam a ter 50% de aumento nas vendas durante a Black Friday. Neste ano, vamos oferecer 30% de desconto em toda a nossa linha de empório, além de 30% no Panettone e Chocottone® clássicos (de 1 kg e de 750 g). As ofertas valem de quinta a domingo (25 a 28/11)”. 

Rê, deu água na boca! E te agradeço muito por nos dar esta receita de negócio: 

  • Algumas linhas e produtos: escolher o que e porque entrarão na promoção
  • São promoções especiais
  • Quantos dias de ofertas com datas definidas
  • Que tipo de desconto: porcentual

Não é da noite para o dia que se faz um planejamento desses! Faz-se necessário, ao menos, uns 4 meses antes em função da definição de produtos, produção, embalagens, precificação, logística e distribuição, exposição nas franquias (VM), campanha de comunicação. E quando depende de importação, então?!

Com a fala da Renata Rouchou e seu domínio em varejo, franchising, expansão de negócios e de franquias, ainda é possível melhorar as ações para a Black Friday e para o Natal! Excelentes vendas e ótimas compras, consumidores empreendedores! Vou de panetone e vocês?!

* Ana Vecchi é consultora de empresas, CEO na Ana Vecchi Business Consulting, professora universitária e de MBAs, pós-graduada em marketing e com MBA em varejo e franquias. Atua no franchising há 28 anos em inteligência na criação e na expansão de negócios em rede.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.