Como testar tendências de mercado no seu negócio

Como testar tendências de mercado no seu negócio

O segredo está em fazer o teste de novos produtos ou serviços em etapas, para não desvirtuar totalmente a maneira como o cliente compra

Redação

21 de janeiro de 2020 | 13h49

Por Guilherme Lui, consultor do Sebrae-SP

É muito difícil precisar quais são as tendências mais indicadas para os diferentes tipos de público. Até porque aquilo que é apontado como tendência não necessariamente vai acontecer ‘hoje ou amanhã’. O que é preciso ficar de olho, então, é quando e como o cliente está começando a mudar seus hábitos.

Se meu cliente é adolescente, por exemplo, qual será a sua próxima fase? Qual o próximo passo na escalada de consumo e na experiência de compra? A ansiedade que temos em relação às tendências só diminui quando olhamos com calma e nos mantemos atentos para tudo o que o nosso cliente estiver fazendo. Por isso, é importante ficar atento para agir rápido e, se errar, errar rápido para consertar mais rápido ainda, como nas metodologias utilizadas pelas startups.

E como, enfim, testar essas tendências com o público? Nem tudo o que vemos na SP Fashion Week, por exemplo, vamos ver na próxima coleção de um pequeno comerciante. Existe o quesito adaptabilidade. No comércio, podemos fazer o teste e utilizar uma fórmula de compra: 70% de produtos que o meu cliente compra independentemente da época do ano, 25% daquilo que é moda, do momento e 5% de teste ou extravagância. É uma ótima fórmula para saber se seu público vai aderir a essa moda.

Testar o produto em etapas, ouvindo e analisando as respostas dos clientes, é fundamental. Ilustração: Pixabay

É importante sempre ficar de olho no cliente. Se ele tem o comportamento de consumo extravagante, será mais aberto a novidade. Se o cliente tem um hábito mais clássico, o empresário pode usar um peso menor na fórmula para as extravagâncias.

Para ajudar a entender a aplicabilidade das tendências, sugiro cinco maneiras:

1 – O clássico teste A/B. É preciso criar duas versões da página na internet para saber qual converteu mais.

2 – Pergunte ao cliente. É uma metodologia que o Sebrae aplica no programa Agentes Locais de Inovação (ALI). A ideia é entender os hábitos do cliente e o que ele faria para comprar novamente. É uma entrevista mais adequada para entender os hábitos e costumes do cliente para a empresa se adequar.

3 – Jornada do cliente. É importante avaliar todos os pontos de contato que o cliente tem com seu produto. Dentro da jornada, o empresário pode mapear onde o cliente pode ter esse contato, mas às vezes, fica sem resposta. É uma etapa importante para rever os processos da empresa.

4 – UX (User Experience). Avaliar e criar o melhor caminho dentro da jornada de compra: como o cliente tem essa experiência de contato, compra e o que ele sente.

5 – Teste de conceito/produtos. Utilizar amostras para que o cliente possa testar o novo produto.

O segredo está em dosar a mão na hora do teste e na hora de alterar alguma estrutura da empresa, para não desvirtuar totalmente a maneira como o cliente compra. Se a mudança for muito grande, talvez o cliente perca um pouco a identificação com a empresa e pode até procurar o concorrente. Na ânsia de acompanhar uma tendência, o pequeno empresário pode mudar demais e até perder vendas. É preciso ter cuidados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.