Como não enlouquecer com o empreendedorismo

Daniel Fernandes

08 de fevereiro de 2013 | 08h44

Não se engane, haverá pedras no caminho

Não raro, o empreendedorismo é vendido como algo romântico e, principalmente, como um caminho fácil a ser trilhado se houver uma preocupação com o planejamento e acesso aos recursos. Na prática, o romance pode acabar antes mesmo do negócio ser aberto, afinal, é nessa fase que começam a aparecer as pedras que o empreendedor precisará tirar da sua trajetória.
Mas como em um videogame, há cada vez mais e maiores pedras no meio do caminho. E agora, empreendedor?
Nesta semana, dois empreendedores apresentaram dois tipos de pedras no meio do caminho. Juliana Motter, da Maria Brigadeiro, falou sobre sua falta crônica de tempo e Renato Steinberg, do Fashion.me, desabafou seu descontentamento com a demora em obter um cartão de crédito corporativo.
Vamos à falta de tempo. Eu me orgulhava de trabalhar muito até assistir a palestra do Christian Barbosa em um dos workshops organizados pela Endeavor. Nele, Christian falava que a resposta típica da pergunta “Como você está?” é algo próximo a “Estou correndo”. E ele comenta que “ou tudo mundo virou corredor ou as pessoas deveriam estar andando”. E pior, para o especialista ficou chique responder “estou correndo… estou estressado…”. “Tem gente que até estufa o peito para dizer isto” – complementa.
E eu me senti mal quando me enxerguei nesta situação. Desde então, evito responder que estou estressado (posso falar que estou correndo, pois gosto mesmo de correr provas de longa distância) e mais importante, tento gerenciar melhor o meu tempo seguindo a lógica proposta pelo Christian. Se tiver interesse no workshop “Como ser um empreendedor mais produtivo?” invista seu tempo assistindo o vídeo.
E o crédito que não vem? Bom… gestão do tempo você até consegue colocar em prática hoje mesmo, mas ter uma boa relação com o banco vai exigir, literalmente, mais tempo. Muito mais tempo. E não seria possível contar toda a novela com o banco em poucas palavras, mas recomendo outro workshop organizado pela Endeavor e proferido pelo meu colega Fernando Blanco. Nele, Fernando fala sobre “Como obter mais crédito e reduzir seu custo financeiro”.
Aqui, reserve um tempo maior porque mais do que um workshop, é uma aula de cerca de duas horas. Mas é melhor investir duas horas aqui do que perder este tempo na fila do banco.
E, não raro, o empreendedorismo é vendido como algo romântico, porque também o é. Se você leu o último post da Adriane Silveira da NannyDog, percebeu sua felicidade em atender uma cachorrinha que tinha sido abandonada e como aquilo valeu o seu dia.
E se você refletiu sobre o post do Pedro Chiamulera, da ClearSale, compreendeu sua felicidade em apoiar a arte em sua empresa. Tem dias em que não há pedras no caminho do empreendedor.
Nestes momentos, ele ou ela percebem que o empreendedorismo é grande e cabe nesta janela sobre um mar de oportunidades.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: