Como ajudar estrangeiros que buscam em franquias chances de ganho financeiro

Como ajudar estrangeiros que buscam em franquias chances de ganho financeiro

Ainda que haja capital suficiente para investir em uma franquia, é preciso vivenciar o mercado e adquirir conhecimento de franchising antes de empreender; veja dicas

Ana Vecchi

23 de dezembro de 2021 | 17h04

Fiz nesta semana uma live para a Bonkyo, Sociedade Japonesa de Cultura e Assistência Social, onde já palestrei algumas vezes e entidade que sempre me traz muita reflexão sobre a responsabilidade das escolhas, tanto de quem volta ao Brasil quanto de quem vende uma franquia ou propõe um negócio a estrangeiros.

Falei sobre as etapas de processo de seleção comum às franqueadoras, perfil de franqueado e dicas práticas para avaliar uma franquia. Como entre os participantes há dekasseguis que pensam em investir na compra de uma franquia e os que buscam oportunidades em outros modelos de negócios, foi interessante ver a reação daqueles que não haviam pensado na possibilidade de se empregarem em uma unidade franqueada ou empresa franqueadora, quando eu trouxe estas outras duas opções de análises.

É como se no sistema de franchising a visão fosse voltada, apenas, no investimento em franquias e não se empregar em uma das unidades de rede ou numa empresa franqueadora. Dentre as dicas está a proposta de ampliar o olhar sobre as oportunidades de empreendedorismo como sendo colaboradores nas empresas que fazem a gestão das redes, nos fornecedores ou em uma franquia. Existe todo um ecossistema no setor que o faz funcionar por completo. 

Isso quer dizer que juntar dinheiro para retornar ao país de origem não necessariamente significa investir em um negócio sem ter toda a segurança necessária para o passo que vai dar. Os horizontes são vastos e não devem ser perigosos, restritos em função do desconhecimento sobre inúmeros fatores.

Antes de escolher uma franqueadora, o estrangeiro deve entender qual é seu perfil de empreendedor, se prefere investir ou gosta mais da ideia de um emprego na rede. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Importante, também, reforçar o quanto o emocional interfere na análise de negócios ou de recolocação no mercado de trabalho. A escolha pode ser prejudicada em função de se encontrar num momento de transição de vida, em um mercado cujo risco se mostra grande e a economia instável. Mas este emocional também se faz presente em tempos de vacas gordas. O otimismo toma conta do cenário e fica mais fácil se jogar de cabeça, portanto o racional deve se manter sempre forte e analítico.

Dicas práticas para ampliar o foco de análise de dekasseguis, no caso, como tratamos na live:

  1. Qual o país de origem e há quanto tempo está fora?
  2. Quais as diferenças de cultura, hábitos de consumo, economia, moeda?
  3. Qual o seu perfil? Prefere arriscar e investir de forma consciente ou gosta mais da segurança de um emprego? Está em busca de algo novo como proposta de vida ou a sensação de zona de conforto é o que lhe fará dormir bem?
  4. Parta para a autoanálise do que é mais adequado neste momento e quando acontecer a mudança: buscar emprego em uma rede franqueada ou empresa franqueadora. 

Isso requer analisar que, ainda que haja capital suficiente para investir em uma franquia, é preciso vivenciar o mercado e adquirir o conhecimento necessário antes de empreender, o que torna as opções de negócios mais tangíveis, claras e seguras.

  1. Pesquisas ajudam a prever situações e conversar com conhecidos também, mas neste caso com um viés de percepção pessoal e o risco sobre o “ouvi falar que…”. Experienciar faz muita diferença. 
  2. Busque dados oficiais de mercado junto aos órgãos competentes. 
  3. Caso opte por investir em uma franquia diretamente, não assine nenhum compromisso antes do olho no olho, do test drive, de conhecer a equipe da franqueadora e conversar com alguns franqueados. 
  4. Contrate especialistas no franchising: investimento, planilhas, dados de mercado para estimativa de retorno, advogado/a para análise de Circular de Oferta e contratos. Não faça nada sozinho por sua conta e risco. Contratar especialistas éticos, livres de qualquer interesse, faz parte do investimento. 
  5. Criar algo, fazer uso do conhecimento adquirido e montar um negócio pode dar tão certo e tornar você um futuro franqueador no futuro. Pense nisso também.
  6. Por fim, não faltam oportunidades para fazer uso do dinheiro conquistado. Mas, não podem faltar critérios para análise do que fazer pela melhor escolha. E podermos comemorar o retorno de todos os filhos que à casa tornam e podem trazer para nós todos mais informação, conhecimento, melhores práticas, técnicas, processos que contribuam para o melhor do franchising brasileiro!

* Ana Vecchi é consultora de empresas, CEO na Ana Vecchi Business Consulting, professora universitária e de MBAs, pós-graduada em marketing e com MBA em varejo e franquias. Atua no franchising há 28 anos em inteligência na criação e na expansão de negócios em rede.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Tudo o que sabemos sobre:

EmpreendedorismoFranquiafranchising

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.