Como a ferramenta Canvas pode tirar seu negócio do papel em 2021

Como a ferramenta Canvas pode tirar seu negócio do papel em 2021

Metodologia pode ser utilizada para criação de novos negócios ou para promover melhorias e inovação em empresas já existentes

Redação

29 de dezembro de 2020 | 06h00

Sabrina Ikeda Neves Saeki, analista de negócios no Sebrae-SP

Janeiro já está batendo à porta e é comum começarmos a colocar em prática as famosas resoluções de ano-novo. Se entre suas metas para 2021 está abrir um novo negócio, confira as dicas sobre a ferramenta estratégica Canvas.

Vale lembrar que, no Brasil, 58% dos negócios fecham após dois anos de abertura. E há muitas razões que levam as empresas a fecharem antes de dois anos, entre elas:

  • Não pesquisar o potencial número de clientes e seus hábitos
  • Não calcular o capital de giro necessário para a abertura do negócio
  • Não pesquisar os concorrentes
  • Não procurar auxílio de instituições para a abertura do negócio
  • Não planejar como a empresa funcionará na prática

Criada pelo suíço Alex Osterwalder e muito utilizada para auxiliar os empresários a colocar no papel as ideias empreendedoras, a plataforma Canvas funciona como um mapa visual, que pode ser utilizado tanto para a criação de novos negócios quanto para a melhoria e inovação de empresas já existentes.

Os maiores benefícios da ferramenta são:

  • Pensamento visual: usar desenhos e não uma folha de texto
  • Visão sistêmica: ver o todo baseado em uma análise das partes
  • Cocriação: outras pessoas não envolvidas no negócio podem ajudar
  • Simplicidade: hoje é uma das ferramentas mais utilizadas, para abrir ou inovar em um negócio já existente

Com o formato de um quadro, ele é representado por nove blocos agrupados em quatro questões. O principal objetivo do Canvas é auxiliar a organização das ideias e, assim, descobrir como cada bloco está relacionado com os demais. Isso permite que o futuro empresário ajuste seu modelo até perceber seu negócio como um todo. As perguntas devem responder as seguintes questões:

  • O que é o meu negócio? Qual o valor agregado.
  • Quem? Quem vai comprar, quem é o meu perfil de cliente.
  • Como? Como vou entregar minha proposta de valor para essa pessoa, o que preciso para isso.
  • Quanto? Qual é o valor e quanto vou ganhar por essa atividade.

Algumas dicas:

  • Não escreva diretamente no quadro, use post-its
  • Escreva apenas um item por post-it (você terá mais facilidade para pensar)
  • Comece pela Proposta de Valor ou Segmentos de Clientes
  • Foque nos elementos mais importantes e fundamentais
  • Cuidado com o nível de detalhamento
  • Você precisa contar a história do seu negócio por meio do seu Canvas

Quadro com perguntas e direcionamentos do modelo Canvas. Foto: Divulgação

Compreendendo a importância da ferramenta, vamos entender como usá-la. O primeiro item a ser preenchido responde a pergunta o que é, revelando a proposta de valor. Aqui não se trata do produto que será vendido, mas sobre a dor ou a necessidade do cliente que será resolvida por meio do seu produto ou prestação de serviço. Como exemplo, pense na startup Uber. Sua atividade é um aplicativo de transporte. Porém, a sua proposta de valor é a possibilidade de se deslocar com conforto, segurança, cortesia e facilidade na solicitação do serviço e pagamento. O conceito aqui não é o que irei vender e sim quais são os benefícios que os clientes irão perceber ao utilizar meus produtos ou serviços.

Os próximos blocos a serem estruturados respondem a pergunta quem. Inicie pelo bloco segmentos de clientes, que será o grupo de pessoas ou empresas para quem você deve oferecer seus produtos ou serviços. É possível definir esse grupo por região, por hábitos e estilos de vida, por gênero, idade, renda, rotina, profissão, entre outros. Os próximos blocos são sobre os canais e relacionamento com os clientes. O primeiro irá definir de que forma os clientes irão descobrir e conhecer seus produtos e serviços e o segundo mostra quais as estratégias que serão utilizadas para reter os clientes já conquistados.

Os próximos blocos definem a pergunta como. E para iniciar, descreva quais serão as atividades-chave do negócio. Por exemplo: produção, manutenção, venda de produto ou serviço. Após essa definição, busque quais os recursos (físicos, intelectuais, humanos e financeiros) e os parceiros-chave para que a proposta de valor seja entregue de maneira efetiva.

Para finalizar o quadro, há os blocos que respondem a pergunta quanto. Nesse item, detalhe a estrutura de custos (levante todos os custos operacionais para que a empresa possa acontecer). No bloco sobre a geração de receita, numere as possibilidades para gerar receita suficiente para arcar com as despesas operacionais já levantadas no outro quadrante.

Após preencher o Canvas, o futuro empresário tem uma fotografia do negócio. Um ponto importante é que essa ferramenta não substitui o plano de negócio. Inclusive, muitos o nomeiam como um pré-plano. Por ser uma ferramenta estratégica, o empreendedor pode montar vários tipos de negócios diferentes e depois ir para uma estrutura mais robusta como o plano de negócio.

Em 2021, comece da forma correta. Procure instituições educacionais que podem lhe dar o suporte para montar e compreender o Canvas de forma clara.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.