Coalizão potencializa negócios que inovam em serviços de saúde pública

Coalizão potencializa negócios que inovam em serviços de saúde pública

Iniciativa prioriza Atenção Primária à Saúde para promoção básica de saúde e prevenção de doenças crônicas; três negócios de impacto social selecionados irão receber R$ 100 mil cada um

Maure Pessanha

18 de novembro de 2020 | 12h36

A saúde sempre foi uma temática prioritária para a Artemisia por entendermos que esse é um setor estruturante, que dialoga diretamente com a melhoria da qualidade de vida da população mais vulnerável economicamente. Sempre enxergamos o enorme potencial que negócios inovadores têm para qualificar a oferta dos serviços de saúde pública que são prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Entretanto, existe um abismo que separa, de um lado, os empreendedores e as soluções, e de outro, o setor público. Em uma perspectiva que vai além da aceleração de empresas, criamos uma coalizão, em parceria com a Umane, cuja uma das iniciativas é a Plataforma de Inovação Aberta em Atenção Primária à Saúde.

A motivação conjunta passa pela proposta de favorecer a construção de arranjos inovadores para que as soluções trazidas por negócios de impacto social conquistem escala e cheguem à população em situação de vulnerabilidade social e econômica. Queremos, além disso, que impactem positivamente os territórios com soluções de ponta.

A escolha pelo tema Atenção Primária à Saúde (APS) para construir uma coalizão é essencialmente pragmática. Vemos que o acesso da população aos cuidados de saúde ocorre por essa via – que é responsável por suprir de 80% a 90% das necessidades de atendimento médico de um indivíduo ao longo da vida, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS-Brasil).

Na prática, essa importância da APS ocorre por ela possuir uma oferta abrangente de serviços – promoção básica de saúde, prevenção de doenças crônicas e cuidados paliativos. Por conhecer a população ao redor das unidades, o nível apresenta maior rapidez para responder às mudanças econômicas, tecnológicas e demográficas que podem impactar no bem-estar das pessoas, sendo eficaz tanto ao lidar com causas e riscos à saúde como responder a desafios emergentes que podem ameaçar o futuro da população.

Saúde pública demanda prioridade. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Tenho convicção de que essa plataforma de inovação aberta reunirá o ambiente necessário para o desenvolvimento de soluções totalmente adequadas às demandas, partindo dos desafios existentes na ponta. Isso porque existe uma forte tendência de alavancar a inovação no setor público, utilizando-se do potencial do ecossistema empreendedor e dos mecanismos de compras públicas.

Na primeira etapa da iniciativa, conduzimos uma seleção dos negócios. A meta foi identificar soluções com potencial de ampliar o acesso, complementar e/ou qualificar a oferta pública de assistência médica. Diante da pandemia, houve uma maior clareza sobre a necessidade de inovar e acelerar as transformações na saúde pública do Brasil.

A coalizão firmada entre as organizações, que são referência nos respectivos setores de atuação, parte do profundo conhecimento das necessidades e dores dos atores envolvidos – gestores públicos, empreendedores de impacto social e população brasileira – e vai em direção à potencialização dos ativos necessários para avançarmos rumo à melhoria da qualidade da saúde pública.

Em um segundo momento, os 10 negócios selecionados na primeira etapa vão receber suporte para formatar um plano de trabalho para um projeto-piloto, contando com mentorias de especialistas e R$ 5 mil para custear despesas (como entrevistas de profundidade) a fim de refinar e adequar as soluções. Os três destaques do programa receberão até R$ 100 mil cada para implementar os projetos-piloto em municípios predeterminados pela iniciativa, além de contarem com apoio individualizado e business development para o fortalecimento dos negócios e do suporte para validações de campo.

A melhoria da prestação de serviços de saúde para a população de menor renda é urgente e demanda a união de potências para vencer esse enorme desafio. Devemos estar atentos e atentas para construir estratégias voltadas a destravar gatilhos que impedem a transformação positiva.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: