Cinco dicas para seu negócio ser aprovado em programas de aceleração

Cinco dicas para seu negócio ser aprovado em programas de aceleração

51% dos negócios buscam sem sucesso ajuda de aceleradoras e incubadoras, segundo dados do Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental; saiba como aumentar suas chances de obter apoio e investimento

Maure Pessanha

02 de junho de 2021 | 19h04

O processo de aceleração é considerado pelo ecossistema de negócios de impacto social como um dos apoios necessários para avançar na jornada empreendedora. Dados da terceira edição Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental, conduzido pela Pipe.Labo, apontam que entre os 1.272 entrevistados, 51% estão em busca, sem obter sucesso, de aceleradoras e incubadoras; 15% já foram acelerados por mais de uma vez; e 25%, em uma única ocasião; somente 7% não estão em busca e não têm intenção.

Na prática, esses porcentuais mostram a percepção que empreendedores têm da importância do processo. Mas como ser aprovado em um processo que costuma ser tão disputado?

Desde 2005, a Artemisia analisa empresas para programas setoriais; anualmente, a equipe de Busca & Seleção avalia mais de mil negócios e, a partir dessa experiência, formulou cinco dicas para potencializar as chances de empreendedores e empreendedoras serem selecionados pelos melhores programas de aceleração.

Veja 5 dicas para ser aprovado

1. Seja claro

A proposta é que o empreendedor expresse as ideias de maneira clara, precisa e objetiva, procurando mostrar, de modo que qualquer pessoa entenda, quem ele é e o que seu negócio se propõe a fazer. Uma dica é enviar as respostas para um amigo que não conheça tão bem o negócio e a trajetória empreendedora; depois, converse com ele para saber se entendeu o exposto.

Jargões de marketing ou discursos prontos não costumam ser bem-vistos pelos avaliadores, por isso, ele deve procurar se afastar de frases de efeito como: “queremos transformar com as pessoas que trabalham com tecnologia” ou “queremos transformar o mundo”. Para ser mais bem compreendido, o empreendedor deve usar fatos, de forma pragmática, que expliquem a essência do seu produto ou serviço.

Dados do Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental apontam que 51% dos entrevistados estão em busca de aceleradoras e incubadoras. Foto: BrazilLAB/Eduardo Bandelli

Dados do Mapa de Negócios de Impacto Socioambiental apontam que 51% dos entrevistados estão em busca de aceleradoras e incubadoras. Foto: BrazilLAB/Eduardo Bandelli

2. Mostre que o problema está ligado à solução proposta pelo negócio

Na descrição do problema social ou ambiental que o negócio se propõe a resolver, o empreendedor deve ser bastante específico. O ideal é apresentar o desafio e a solução proposta pelo seu negócio; nesse contexto, um ponto importante é destacar os diferenciais em relação às soluções existentes. Fornecer informações e argumentos – que dialoguem com a sua solução – sobre o desafio mapeado.

Não adianta trazer um embasamento para um problema que não tem relação direta com a proposta apresentada, ou seja, as informações devem ser pertinentes. O empreendedor não deve se esquecer de usar e citar fontes de qualidade e não focar no tamanho do problema; deve se lembrar de que o mais importante é o impacto positivo na vida das pessoas! O ser humano tem sempre que estar no centro do processo.

3. Seja específico

Muitos candidatos costumam usar frases muito genéricas para mostrar o potencial da solução. Entretanto, tanto em inscrições quanto em pitchs para bancas de avaliação, esses discursos amplos fazem a audiência perder o interesse e, consequentemente, o empreendedor perder a credibilidade. O ideal é o candidato apostar em um formato que apresente, de maneira bastante pragmática, a dor que ele se propõe a resolver e de que forma seu produto ou serviço é eficaz para atingir esse objetivo.

Um ponto interessante é que, ao ser vago, o empreendedor pode passar uma imagem de ingenuidade; passar a impressão de acreditar que seu negócio pode resolver sozinho os problemas de determinado setor. Esse risco diminui sensivelmente quando ele consegue ser bastante específico.

4. Mostre quem é

Os avaliadores de processos de aceleração dão muita importância em entender quem são as pessoas envolvidas na empresa e o nível de comprometimento que elas têm. Se o empreendedor tiver algo interessante sobre a própria trajetória profissional e a vida empreendedora – que possa ajudar na avaliação das competências, habilidades e da determinação –, ele não deve se esquecer de contar!

Para o avaliador, é bastante relevante estar diante de um empreendedor comprometido, com uma equipe consistente e com competências e paixão para executar o que se propõe a fazer. É importante lembrar que uma boa ideia tem um ótimo time como suporte. Muitos investidores defendem que “mais vale uma ideia B executada por um time A do que uma ideia A com um time B”. Acho que muitos de nós concordam com isso, correto?

5. Seja verdadeiro

Por último, se ao longo da inscrição tiver algo que não saiba, o empreendedor não deve ficar preocupado. É preferível dizer a verdade do que inventar ou desistir de participar do processo seletivo. É muito relevante lembrar que os avaliadores buscam pessoas transparentes e autênticas. Não existe resposta certa; não existe resposta errada. Existe a resposta que melhor representa o indivíduo e o que ele está fazendo.

* Maure Pessanha é empreendedora e diretora-executiva da Artemisia, organização pioneira no fomento e na disseminação de negócios de impacto social no Brasil.

Quer debater assuntos de Carreiras e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.