As gerações do Franchising

Daniel Fernandes

25 de julho de 2017 | 14h12

No Franchising viemos vivendo algumas gerações de franquias, conforme a evolução do setor, assim como as sucessões nas empresas franqueadoras e suas redes.
Na evolução do Sistema, temos da 1ª à 6ª geração, que vão da relação básica de marca e produto à gestão sustentável da rede franqueada, passando pela formatação engessada de franquias à implantação de sistemas de gestão on line e e-learning. Da criação de Associações de Franqueados que brigaram com franqueadores para a formação de Conselhos de Franqueados, por sugestão de muitas franqueadoras “antes que a rede monte uma associação para brigar com a gente”. Claro que há franqueadoras com a visão dos benefícios estratégicos e operacionais de um bom Conselho de Franqueados e quantos conflitos são evitados por esta real parceria em busca de objetivos comuns.

Quanto às sucessões, temos visto as planejadas, estruturadas e aquelas, mesmo que mais de 20 anos depois de a primeira empresa franqueadora ter tocado no assunto, cuja máxima “meu filho é quem vai assumir isso aqui” continua valendo, mesmo que os filhos não acompanhem as operações ou não tenham a menor vontade e vocação para o negócio.
O varejo, de forma geral, ainda se comporta dessa maneira de pai para filho e quando diz que precisa ser profissionalizado, contrata alguém de fora da empresa. Contratos de franquia preveem que não há herdeiros diretos do negócio, sem anuência da franqueadora. Para que a mesma aprove um herdeiro é fundamental que tenha perfil para assumir a gestão da franquia e obter os mesmos resultados, ou até melhores.
Portanto, cabe a análise de quantas franqueadoras oferecem programas de capacitação de sucessores com foco interno, fundadores da empresa e na rede franqueada, para que as transições ocorram de modo eficiente. E mais uma fala recorrente do varejo é que “isso é para os grandes”, consultorias especializadas custam caro. Mas, quanto custa não passar adiante o propósito e os valores da marca e deixar se perder o padrão de qualidade construído por anos?
Será que os millennials, tão valorizados em tantos mercados, estão prontos para assumir o que seus pais ou avós, baby boomers, construíram com o firme propósito de perenizar? Tudo que era off line está virando on line, foi criado por quem é, hoje, um gray hair atualizado e o negócio passa a ser assumido por um millennial criativo.
Quando se fala do comportamento das gerações no momento da compra, há artigos, livros e discussões fantásticas de como os consumidores se comportam de formas tão diferentes! Agora, na hora de falar em sucessão…. Não mexe com meu filho! Ele é quem vai tocar isso tudo aqui.
Como, a gente vê depois.
Ana Vecchi é professora e pedagoga pela PUC-São Paulo, com especializações em administração de marketing pela Fundação Getúlio Vargas (SP), planejamento estratégico de marketing pela ESPM e MBA em varejo e franquias FIA/PROVAR. É professora universitária, instrutora e palestrante em associações e universidades. Co-autora do livro A Nova Era do Franchising.
 

Tudo o que sabemos sobre:

Blog do Empreendedor

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: