Argumento para convencer o banco: nunca se sabe o tamanho que você pode ficar

Daniel Fernandes

10 de janeiro de 2013 | 08h53

Expansão está no radar de Adriane

O fato de não ter um plano de negócios não significa que não tenha planos. Tenho muitos. Vários projetos.
Um deles caminha desde abril de 2012 e tudo indica que vamos concretizá-lo ainda em janeiro de 2013. Será um grande passo para a empresa.
Com o saldo positivo de 2012 temos ótimas perspectivas para 2013 também. Expandir é o tema principal. Queremos ganhar mercado, mantendo a qualidade, claro.
Mas de que maneira administrar a expansão do empreendimento e continuar na ativa? Esse é um ponto que encontro dificuldades para resolver. Com a agenda cheia, todos os dias, o tempo voa.
::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

Outro desafio do ano novo. Preciso de capital de giro para investir. A Nannydog tem pouco mais de um ano. E se não invisto, não cresço! Se o banco não libera o capital, não invisto. Por isso, estou na batalha.
Aliás, faz muito tempo vi uma campanha publicitária, não lembro o produto, mas eram com dois animais, de espécies diferentes, sendo um deles um filhote pequeno e indefeso. Já o outro, bem maior, adulto. Estavam lado a lado. Tempos depois, o filhote crescia e aparecia gigante perto do adulto.
A conclusão era: nunca subestime um cliente, você nunca sabe o tamanho que ele pode ficar! Uso atualmente esse argumento com meu banco…espero que funcione!

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: