Acerte, mesmo que erre

Daniel Fernandes

17 de junho de 2016 | 10h24

Se há uma palavra que combina com empreendedorismo é dúvida. No início, muitos duvidam que o negócio vai dar certo. Até o empreendedor, mas, na dúvida, nem comenta consigo mesmo. Mas as dúvidas começam a aumentar depois que a empresa começa a funcionar. Muitos empreendedores não quebram, morrem afogados em suas dúvidas que se transformaram em dívidas.
Mas há uma regra geral que pode ser seguida por todo empreendedor e assim reduzir suas dúvidas: faça a coisa certa, do jeito certo e com as pessoas certas.
Fazer a coisa certa é ter foco certo no propósito certo do negócio certo. Um negócio certo se concentra no benefício do produto e não apenas no produto em si. Ninguém compra uma furadeira, mas um furo na parede como destacado pelo Prof. Theodore Levitt, autor do artigo Miopia de Marketing que explica o que é um negócio certo. Um propósito certo vai além do lucro em si. Henry Ford defendia que “as empresas precisam ter o lucro como objetivo, do contrário, elas morrem. Mas se uma empresa é orientada apenas para ter lucro também morrerá, porque não terá mais nenhum motivo para existir”. O propósito certo de um negócio é desenvolver clientes como defendido por Peter Drucker há mais de 50 anos. E é preciso ter foco certo. Todo empreendedor precisa se saber e se concentrar nas prioridades que garantirão o próximo estágio de sucesso do seu negócio. É o que recomenda Michael Lazerow, um dos principais empreendedores seriais dos Estados Unidos. Se não souber qual é a próxima etapa de sucesso do seu negócio e as 3 ou 4 iniciativas que levarão a empresa para este patamar, é melhor desistir agora para evitar uma tragédia certa no futuro.
Fazer do jeito certo é fazer a coisa certa da forma certa. E a principal coisa certa que um negócio pode fazer é fazer o produto certo para o cliente certo. O cliente certo é aquele que percebe o benefício do seu produto só de vê-lo. Steve Jobs conseguia explicar esta situação na sua mítica frase: Nós fazemos os ícones da tela parecem tão bons que você irá querer lambê-los! E também resumia a explicação sobre fazer um produto certo: Um ótimo carpinteiro não vai usar uma madeira ruim na parte de trás de uma estante, mesmo que ninguém a veja. E ainda é preciso fazer da forma certa como defendido por John Mackey, co-fundador da The Whole Foods, uma das empresas mais honestas dos Estados Unidos: “Não há nenhum motivo aparente por que um negócio não possa ser ético, responsável socialmente e lucrativo”.
E por fim, é preciso fazer com as pessoas certas. E a primeira pessoa certa é o próprio empreendedor. Saberá se é a pessoa certa se concordar com Luiz Sebra, co-fundador da Natura: “Eu era obstinado, estava completamente apaixonado e percebia a oportunidade que havia ali. Quando existe um sonho que não sai da sua cabeça, não deixe nada te abater pelo caminho.” Você deve ser a melhor pessoa para o seu negócio. Mas ser o melhor não basta. “Sonhe grande, cerque-se de pessoas melhores do que você e trate todo mundo como gostaria de ser tratado. Acredito em estar junto a pessoas melhores do que você, com qualidades e conhecimentos diferentes dos seus” é uma das recomendações de Beto Sicupira, um dos principais empreendedores brasileiros. Se fizer tudo certo, não se arrependerá, mesmo que dê errado!
Marcelo Nakagawa é Professor de Empreendedorismo do Insper e Diretor de Empreendedorismo da FIAP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: