A odisseia de empreender

Daniel Fernandes

11 de setembro de 2017 | 10h12

Quer ser um empreendedor? Pois prepare-se para uma odisseia em tempo real. Empreender é uma jornada de incertezas e peripécias. É também uma divertida aventura, um estilo de vida de longa linhagem na humanidade: de migrantes, mercantes, navegantes, astronautas – todos, ao seu modo, em seu tempo, empreendedores.


Acredito que três importantes qualidades fazem a pessoa estar pronta para empreender, com boas chances para tocar um negócio (qualquer negócio) com sucesso. Não sei bem se são características adquiridas ou naturais. Talvez um pouco de cada, aprimoradas  através da experiência (tentativa e erro) e do autoconhecimento:
1 – Flexibilidade para se adaptar rapidamente aos desdobramentos de qualquer assunto.
2 – Resiliência para se recuperar, física e emocionalmente, de um dia (ou um ano) duro.
3- Aprender rápido (ou morrer), pois a Flexibilidade e a Resiliência um dia acabam, né gente.
Quando entrevisto os nossos futuros franqueados, minha primeira tarefa é detalhar as dificuldades do dia a dia de uma empresa. Enumerando os problemas diários, descrevo o cansaço com que terminamos alguns dias cheios de suor e pouco charme. Falo de tudo aquilo oculto sob o canto da sereia de ser seu próprio chefe. Falo como, donos do próprio negócio, trabalhamos muito mais do que em qualquer emprego (algo que, por incrível que pareça, alguns acreditam que será ao contrário!). E falo do pouco dinheiro que retiramos de imediato, pois tudo é a longo prazo – e nada é garantido. Alguns se assustam e desistem nessa etapa, o que é normal quando não se está pronto ou apto. De fato, deve ser a entrevista de venda de franquia mais anti-comercial que você poderia imaginar. Mas, veja bem, o meu objetivo nesse momento não é vender, e sim selecionar um bom parceiro, que será um colega de jornada e de negócios. É um momento fundamental para todos.
Os que passam desta etapa muito me interessam. Procuro justamente os que têm gosto pelo desafio. Aqueles que preservam o brilho no olho, os que querem saber mais, que têm fome de conhecimento, que percebem que é nas tempestades e dificuldades desta jornada que poderão exercitar seus talentos e capacidades, e assim ter a chance de expressar seu potencial, construir, fazer acontecer. Quando vamos iniciar um novo negócio, empreender a jornada, não há espaço para arrependimentos e nem volta atrás. Um pouco trágico? Às vezes. Heroico? Sem dúvida! Por isso mesmo que Odisseu (Ulisses) tem tudo a ver!
Ivan Primo Bornes – empreendedor e fundador da rede de rotisserias Pastifício Primo (www.pastificioprimo.com.br) ivan.primo@pastificioprimo.com.br

Tudo o que sabemos sobre:

Blog do Empreendedor

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.