A localização importa para o negócio

Daniel Fernandes

14 de dezembro de 2016 | 14h01

Estamos chegando ao final de um ano atribulado e, apesar de alguns setores terem se mantido em crescimento – o e-commerce é um deles – os impactos da desaceleração econômica são visíveis – principalmente o desemprego. Os novos prefeitos, que tomarão posse em janeiro de 2017, terão muito trabalho pela frente diante desse cenário nacional, mas, poderão fazer a diferença para incentivar o empreendedorismo e aquecer os negócios em suas cidades se tomarem decisões para reduzir a burocracia e as barreiras enfrentadas por empreendedores.
A esfera municipal tem um papel importante a contribuir para a mudança no pano de fundo do atual cenário econômico brasileiro. Um estudo divulgado pela Endeavor no mês passado, o ICE 2016 -Índice de Cidades Empreendedoras – mostra quais são as melhores cidades do País para empreender e aponta direções para que os novos prefeitos tornem suas cidades atrativas para o empreendedorismo. Esta é a terceira edição do estudo que, como no ano passado, analisou 32 cidades brasileiras tendo como base 60 indicadores distribuídos em sete pilares: Ambiente Regulatório, Acesso a Capital, Mercado, Inovação, Infraestrutura, Capital Humano e Cultura Empreendedora.

Já sabemos que a região Sudeste é uma das mais aquecidas do ponto de vista de iniciativas empreendedoras, pois sedia o maior número de empresas, universidades e conta com a maior infraestrutura de logística do país. Neste ano, a capital paulista e as outras quatro cidades do interior do estado que foram analisadas pelo ICE (Campinas, Ribeirão Preto, São José dos Campos e Sorocaba) se destacaram entre as 10 mais empreendedoras. São vários os aspectos que devem ser analisados pelo empreendedor na hora de escolher a cidade que abrigará a sede do seu negócio, seja ele online ou offline. Vale destacar os quatro mais importantes – de maior impacto econômico para o negócio: o ambiente regulatório, a estrutura logística, a oferta de mão de obra especializada e a oferta de tecnologia.
As exigência regulatórias, assim como os aspectos tributários, variam de cidade para cidade. É comum se ouvir dizer que determinada empresa migrou seus negócios de uma cidade para outra, ou até mesmo de um estado para outro, com o objetivo de reduzir custos de impostos. É indispensável para o empreendedor conhecer seus deveres e seus direitos como pessoa jurídica em sua cidade sede para avaliar os impactos disso sobre o seu negócio. Da mesma forma, a estrutura logística da cidade precisa ser avaliada.
Além da localização em si – proximidade com os principais fornecedores e acessos a rodovias para a entrada e saída de mercadorias – é preciso saber qual a abrangência de serviços de entrega disponíveis, como o dos Correios, por exemplo. Isso é determinante para a precificação dos produtos, para o atendimento dos clientes e, consequentemente, para a lucratividade do negócio. Contar com mão de obra qualificada também é essencial para o sucesso de uma empresa, afinal, a força de trabalho é a responsável pela qualidade do serviço prestado ao cliente.
A estrutura de educação oferecida pelas cidades é determinante nesse aspecto. A oferta de boas escolas e de boas universidades impacta diretamente na disponibilidade de bons profissionais na cidade e na região.
E, por fim, a possibilidade de acesso à tecnologia também precisa ser levada em conta na hora de escolher a cidade sede para o seu negócio. Isso está diretamente ligado à capacidade de inovação já que, atualmente, a maior parte dos segmentos de negócios depende de tecnologia em algum momento – seja na produção ou na oferta de produtos e serviços. Diante disso, o incentivo das prefeituras à pesquisa e desenvolvimento é, sem dúvida, um aspecto importante.
O estudo da Endeavor traz diversas outras informações sobre esses e outros aspectos importantes que devem ser analisados por um empreendedor na hora de escolher a cidade sede para o seu negócio. Vale a pena conhecer o estudo completo e, quem sabe, compartilhá-lo também com o novo prefeito da sua cidade.
Stelleo Tolda é COO (Chief Operating Officer) e co-fundador do Mercado Livre.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: