A importância de separar as contas pessoais das empresariais

A importância de separar as contas pessoais das empresariais

Além de separar o CPF do CNPJ, o dono da empresa deve determinar seu pró-labore - mensal e fixo - em prol da saúde financeira da empresa, diz consultor do Sebrae-SP

Redação

08 de outubro de 2019 | 10h11

Por João Carlos Natal, consultor do Sebrae-SP

As contas da sua empresa vão bem? Você consegue saber qual é o dinheiro da empresa e qual é o seu? Não? Está tudo misturado! Além disso, dependendo da sua necessidade, a sua retirada (o seu salário) é diferente em cada mês? Então, precisamos conversar!

Para cada uma dessas dúvidas e afirmativas é importante que você não confunda o caixa da pessoa física (CPF) com o fluxo de caixa da pessoa jurídica (CNPJ). Orientamos por meio de algumas dicas o quanto é importante essa separação das contas pessoais das contas empresariais; e da determinação do pró-labore para o seu negócio.

Dicas de planejamento financeiro

Primeiro, separe o seu CPF do CNPJ da sua empresa. Esse simples ato demonstrará quais são as suas reais necessidades financeiras e as reais necessidades de fluxo de caixa da sua empresa.

Importantíssima essa separação e principalmente o seu planejamento! E como eu faço esse planejamento? Inicie pela determinação do seu pró-labore (salário do dono da empresa) e verifique se a empresa conseguirá pagá-lo.

Foto: Pixabay

Para que esse primeiro passo possa ser dado é importante fazer um levantamento das suas despesas pessoais. Após esse levantamento você conseguirá saber a sua real necessidade de recursos financeiros (quanto eu gasto = quanto eu necessito = parte pessoal).

Segundo, baseado em suas necessidades pessoais, a pergunta a ser respondida é: quanto a empresa poderá prover de minhas necessidades? Se a resposta for positiva, ou seja, a empresa conseguindo prover as suas necessidades financeiras mesmo mínimas, deve-se determinar a melhor data para a retirada desses recursos financeiros do fluxo de caixa da empresa. Planeje como será a retirada para não atrapalhar o fluxo financeiro da empresa.

Se a resposta for negativa, você terá que aumentar suas vendas para que a empresa consiga lhe remunerar conforme o determinado no seu planejamento.

A separação das despesas pessoais em relação às despesas da empresa deve ser bem planejada para auxiliar em um maior controle financeiro da empresa, há muitos casos de empresas que não praticam a separação e a necessidade pessoal do dono prejudica o fluxo de caixa da empresa.

Como determino o pró-labore

As minhas retiradas não podem ser conforme as minhas necessidades pessoais? Não, primeiro é importante entender o que é o pró-labore. O pró-labore é uma das formas de remuneração mensal para os sócios ou dono da empresa, ou seja, atua como um salário, sendo essencial para o sucesso do negócio. É a remuneração que o sócio ou dono recebe pelo trabalho executado dentro da empresa.

É recomendável que todo empresário estabeleça uma remuneração/retirada mensal de “pró-labore” para cobrir as suas despesas pessoais. Contudo, não existe uma regra específica para calcular o valor. Primeiro, pode ser uma quantia fixa, calculada de acordo com as suas necessidades ou, segundo, fixada de acordo com a função de cada sócio na empresa.

Pode-se verificar qual valor seria pago na contratação de um funcionário para fazer a sua função na empresa. Nunca uma retirada variável! Normalmente os empresários utilizam um percentual do faturamento para essa retirada (variável), impactando e trazendo problemas para o fluxo de caixa da empresa; quando não retiram o que necessitam no mês, transformam o fluxo de caixa da empresa em um cheque sem limite! Nem preciso comentar o quanto isso é prejudicial para o negócio.

Importante: no caso da utilização da sua necessidade financeira para determinar o pró-labore, é importante listar todas as suas despesas pessoais. Como faço isso? Pode ser usado uma planilha para auxiliar (em Excel mesmo), um “fluxo-de-caixa pessoal”.

É importante mesmo determinar o pró-labore?

É importantíssimo estabelecer o pró-labore para organizar as finanças da empresa. É uma maneira de evitar as retiradas sem controle.

Outra questão a ser considerada é, se a empresa não auferir lucro em determinado período, não haverá a sua distribuição, ou seja, os sócios ficarão sem esta remuneração. Portanto, a determinação do pró-labore nesse caso específico é muito importante para a saúde financeira dos sócios ou dono da empresa.

Também é preciso ter muita atenção relacionada a essa forma de remuneração, já que ela difere bastante da distribuição de lucros ou dos juros sobre capital próprio, outras possibilidades para remunerar os sócios ou dono do negócio, mas esse é um assunto para uma próxima conversa.

Tendências: