A importância da reinvenção aos 110 anos de existência

Daniel Fernandes

13 de agosto de 2018 | 11h47

Fachada do centenário Empório Chiapetta no Mercado Municipal de São Paulo


Esta é a história de Renato Galgiardi Chiapetta, de 38 anos, quarta geração de uma família de comerciantes de alimentos. Ele é bisneto do fundador do Empório Chiapetta, Carlo, calabrês chegado a São Paulo em 1908 e que se instalou numa pequena banca no antigo Mercado São João. Em 1933, Carlo mudou a banca para o atual endereço, no então recém-inaugurado Mercadão Municipal de São Paulo.
Renato está hoje na linha de frente da renovação da operação, com novas marcas e novas frentes de negócios. “Temos 110 anos de história e estamos passando por mais um período de renascimento, fazendo os ajustes necessários para o negócio durar mais 110 anos.”
Como é trabalhar com a família?
Na nossa família, a empresa é um assunto que está presente todo o tempo, é uma extensão natural de casa. Foi assim desde pequeno: comigo, meus irmãos, meus primos. Nós, assim como nossos pais e antepassados, começamos a ajudar desde cedo, então, essa ligação fica muito forte e natural. Isso é um traço muito forte da nossa origem italiana, igual a tantas outras famílias de imigrantes. Quando se trabalha em família e com muita paixão, tudo envolve muita energia e muita emoção, e esse é o nosso combustível. A vida da nossa família pode ser vista em muitos filmes italianos e sobre italianos. Desde de O Poderoso Chefão, Concorrência Desleal, Rocco e Seus Irmãos, Estômago, A Grande Noite, entre outros.
Você trabalhou em outras atividades além do Empório?
Eu estudei Publicidade e Administração de Empresas e segui minha vida, trabalhei bastante tempo como fotógrafo e diretor de filmes para comerciais e programas de TV. Durante esse tempo, sempre estive presente e acompanhando a trajetória da empresa. Isso foi muito bom por vários motivos. O principal deles foi a oportunidade de poder olhar o Empório Chiappetta de fora — foi um ponto de vista novo e muito surpreendente para mim. Compreender o negócio, o valor dele e a percepção do público de uma posição neutra são coisas fundamentais para qualquer empreendedor, numa empresa de 110 anos isso pode ser mais difícil do que se imagina, por mais que seja óbvio.
Aos 110 anos, qual é o momento atual da empresa?
O Empório Chiappetta mudou de negócio muitas vezes na sua trajetória. Começamos como feirantes, praticamente antes de existir o próprio mercadão. Depois fomos atacadistas de alimentos básicos, depois importadores de produtos especiais, depois distribuidores de food service , depois lojas de varejo. Em mais de um século de história acredito que a capacidade de adaptação e o espírito de luta do meu bisavô, meu avô, meus pais, meus tios, meus primos e meus irmãos foram essenciais para irmos tão longe. Hoje, estamos mudando de “business” novamente, uma vez que estamos produzindo produtos de alta qualidade aqui no Brasil, em vez de importar, que era a atividade principal da empresa nos últimos 30 anos. Não é fácil fazer isso e esse é o nosso desafio neste momento.

Produtos da marca Gastronomia Chiapetta, braço dos negócios da família


São vários negócios?
Hoje, temos a loja histórica no mercadão, na rua G box 8, onde ficam meus tios Leonardo e Eduardo, que é maravilhosa, está a pleno vapor e tem esses dois personagens extremamente carismáticos. E na parte de food service nós temos duas marcas em dois campos de atuação muito claros, que são a Gastronomia Chiapetta e a Fiumefreddo. A Gastronomia Chiappetta é uma linha de produtos gourmet e saudáveis ao mesmo tempo, como mix de frutas secas, temperos especiais e pastas espalmáveis naturais, como um creme de avelã e cacau vegano e uma pasta pura de pistache. São produtos destinados a lojas de produtos saudáveis, naturais, empórios e supermercados. Já a Fiumefreddo é voltada para o público profissional de gelateria e confeitaria, com insumos totalmente naturais para produção artesanal de sorvetes, sobremesas geladas e confeitaria em geral. Foi um mercado muito interessante que identificamos e é carente de produtos de alta qualidade. A gelateria de artesanal chegou ao mercado brasileiro para ficar. São esses dois projetos o nosso foco e grande desafio neste momento.
Como é a sua rotina de empreendedor?
Eu sou completamente apaixonado pelo meu ofício, uma das primeiras implicações disso é não ter horário para nada. Nós fazemos um trabalho ao lado dos grandes chefs de uma forma invisível, criando e pesquisando ingredientes, formatando produtos e soluções, mas sempre sem aparecer, afinal quem tem de brilhar é o chef. Isso vale para o nosso trabalho em gastronomia e em gelateria também, faz parte do mundo do sorveteiro essa alquimia, esses segredos misteriosos.
Quais os planos de futuro?
Nós estamos passando por mais um período de renascimento, fazendo os ajustes necessários para o negócio durar mais 110 anos. Nós acreditamos na nossa marca, temos uma visão de qualidade e estamos vendo o mundo da alimentação passar por uma grande revolução como um todo, o que gera uma série de oportunidades. Hoje, as pessoas leem as etiquetas, sabem que matérias-primas devem evitar e quais valorizar, têm preferência pelo produto local, evitam corantes, conservantes, estão muito mais informadas sobre processos, responsabilidade, sustentabilidade e outros assuntos super-importantes, sem dúvida é uma grande evolução. Existem as tendências e os nichos que se formaram e estão cada vez mais identificáveis, como os veganos, vegetarianos, o público fitness, os que evitam glúten, lactose, orgânicos, os que procuram o low carb entre tantos outros. Isso tudo gera novos negócios, novas empresas e novas marcas. Se nós do Empório Chiappetta queremos continuar nossa trajetória, devemos acompanhar tudo que está acontecendo e ainda agregar a nossa longa experiência no mundo da alimentação.
Se pudesse dar uma dica aos jovens empreendedores que estão chegando no seu setor, qual seria?
Eu não sou ninguém para dar dica. Posso falar das coisas que aconteceram conosco e que nos fizeram chegar até aqui e evoluir: nós sempre optamos pelo produto e pelo nicho de qualidade e não de preço; tivemos capacidade de adaptação para mudar de mercado e de segmento para sobreviver e trabalhamos com muita paixão, que nunca é demais. Estamos vivendo tempos em que as pessoas se reúnem em casa para cozinhar com os amigos, fazer pão, cerveja… tudo em casa. Isso é fantástico. Estamos vendo diversas novas marcas inovadoras, com produtos inovadores nos mais diferentes mercados do mundo da alimentação, nos sucos, nos produtos naturais, no próprio sorvete, nas cervejas, nos chocolates, nas massas… é um novo mercado praticamente.
Qual o futuro do Brasil?
Os empresários são uma parte muito importante do processo para a engrenagem funcionar. Nós devemos ajudar a sociedade dentro do nosso campo de habilidade, acreditar no terceiro setor e cumprir nossa função de empresário pensando no social e em um país melhor para todos.
Serviço:
www.chiappetta.com.br
www.fiumefreddo.com.br

Instagram: gastronomiachiappetta / fiumefreddogelato
E-mail: renato@chiappetta.com.br
Ivan Primo Bornes (ivan@pastificioprimo.com.br) – empreendedor e fundador da rede de rotisserias Pastificio Primo (www.pastificioprimo.com.br)

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: