A importância da gestão de supply chain no Franchising

Daniel Fernandes

06 de março de 2018 | 10h25


A força de uma empresa franqueadora, ao negociar com seus fornecedores, é construída ao longo de anos, com o crescimento de sua rede franqueada, com mais passos certos em frente do que retomadas de passos para trás, reorganização da expansão, melhor planejamento e reconstrução da rede bem posicionada.
De qualquer forma, é sabido que uma franqueadora é o sonho de qualquer fornecedor de produtos e serviços, em poder servir uma rede inteira, se tornar homologado e ter centenas de unidades franqueadas a quem vender. Mas, isso tem um preço: ser o melhor e mais barato ao mesmo tempo, ou seja, as melhores condições comerciais, uma vez que este fornecedor tem uma rede inteira fiel a seus produtos ou serviços. Em complemento a isso, a condição de fornecer regional e nacionalmente. Franchising é escala.
O nível de exigência dos franqueados, na sua grande maioria, é altíssimo, é cobrado das franqueadoras a qualidade das matérias primas, dos produtos e dos serviços, o cumprimento dos prazos, datas e horários de entregas e o desgaste é grande, juntando todos os aspectos inerentes aos negócios e ao varejo que sofre, na ponta, com a exigência de um consumidor cada vez mais voraz.
É lógico que problemas podem acontecer e o planejamento é a ferramenta de favorece o menor risco. Nem tudo pode estar embasado apenas na redução de custos, nem subestimar as necessidades operacionais ou expansão acima da capacidade de atender demandas.
Os franqueados que entendem a importância da gestão de supply chain e os benefícios que ela traz às redes franqueadas, que o bom operador logístico não deveria estar apenas na conta de despesa, pura e simplesmente, para analisar quanto sobrou na última linha, sabem que ele pode representar um CMV menor, maior eficiência, a possibilidade de focar em seu core business, ou seja, vender, tocar a franquia.
Um processo de gestão de logística permite a franqueados comprar de um fornecedor só – o operador logístico, no site dele e que o gestor de supply chain da Franqueadora pode desenvolver mais matérias primas, novos produtos, fornecedores, assim como negociar com mais força o volume que está comprando. E isso tudo se torna um círculo virtuoso, onde todos ganham, inclusive o consumidor.
Ana Vecchi é professora e pedagoga pela PUC-São Paulo, com especializações em administração de marketing pela Fundação Getúlio Vargas (SP), planejamento estratégico de marketing pela ESPM e MBA em varejo e franquias FIA/PROVAR. É professora universitária, instrutora e palestrante em associações e universidades. Co-autora do livro A Nova Era do Franchising.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.