A empresa que vende experiências

Daniel Fernandes

12 de maio de 2015 | 06h55

Uma empresa se preocupar puramente com o marketing pode ser algo bem perigoso, uma vez que o serviço ou produto oferecido precisa ser forte o suficiente para se sustentar e superar as expectativas do consumidor, cada vez mais crítico. Porém, usar o marketing como estratégia única e de maneira bem planejada, alinhando o produto ou serviço com as estratégias adotadas, pode fazer todo o sentido e ser o grande diferencial da marca. Um exemplo mundialmente conhecido é a Red Bull.
Com uma estratégia própria, a marca mais parece uma empresa de eventos. Aliás, ao falar o nome Red Bull, é comum pensarmos em esportes, muitas vezes em esportes radicais – foi esse o posicionamento que a empresa adotou desde o início de sua existência, em 1987. Um teste simples para entender melhor o posicionamento da marca é entrar em seu site. A impressão é de estarmos navegando em um portal de esportes – o produto que a Red Bull vende não aparece, e sim os eventos que ela patrocina e organiza. A proposta é oferecer não apenas o energético, e sim experiências.

O slogan “te dá asas” é seguido à risca: a empresa acredita no conceito de dar asas à imaginação e por isso inova em suas ações sem medo de errar. Não é comum vermos grandes campanhas publicitárias na televisão, jornais ou revistas divulgando a bebida, mas a empresa investe cerca de 30% de seu faturamento no marketing – sendo que metade disso é destinado aos eventos. Uma maneira ainda pouco usual de divulgar produtos ou serviços, porém altamente eficaz. Ao criar eventos, a marca oferece novas experiências aos seus consumidores e, com isso, cria um forte vínculo de relacionamento.
Voltando um pouco na história, é possível entender o DNA de inovação da empresa. O austríaco Dietrich Mateschitz (foto) fundou a Red Bull no começo da década de 1980. Inicialmente, ele criou a fórmula do energético e o conceito de marketing único da empresa. Somente em 1987 foi vendida, oficialmente, a primeira lata. Durante os primeiros anos, Mateschitz batalhou pela legalização da bebida – uma vez que a Europa e o mundo não conheciam as bebidas energéticas. Ou seja, o fundador não só criou uma empresa como inventou um produto que até então não existia. Como a própria empresa descreve, “este foi não só o lançamento de um produto completamente novo, foi de fato o nascimento de uma categoria totalmente nova de produtos”.
Com 27 anos de história, presente em cerca de 167 países e com mais de 10 mil funcionários ao redor do mundo, a Red Bull já vendeu mais de 50 bilhões e latas de energético.
Há outros elementos interessantes da cultura da empresa, destacamos aqui o lado do marketing e inovação – que se complementam e mostram como podemos inovar de maneira criativa, em diversos setores do negócio. Cada empresa tem suas características e necessidades próprias, mas analisar a história de uma grande empresa que possui algumas particularidades nos dá a oportunidade de enxergar novas possibilidades.
Neste caso, vale destacar a importância de ter coragem e ousadia para lançar novos produtos ou serviços, buscando algo inovador que pode ser um novo nicho do mercado. Outro ponto interessante é a capacidade de sair da zona de conforto e pensar em ações que façam com que o consumidor tenha uma experiência diferente. Uma empresa que se preocupa com a experiência e com o que o cliente irá sentir ao interagir com ela já sai na frente e cria, com essas experiências, uma relação mais próxima e duradoura com seu público alvo.
 
 

Tudo o que sabemos sobre:

Blog do EmpreendedorEstadão PME

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: