A Black Friday está chegando; você está pronto?

Daniel Fernandes

26 de outubro de 2016 | 07h00

As datas sazonais sempre são muito aguardadas pelo comércio e, com o passar dos anos, o calendário ganhou várias novas oportunidades para o varejo dar aquele empurrãozinho no consumidor, mesmo no mais indeciso, e levá-lo às compras.
Estamos a menos de um mês da Black Friday, atualmente a data mais esperada pelos varejistas brasileiros. Esse dia de superdescontos, criado nos Estados Unidos, será comemorado este ano no Brasil em 25 de novembro. Uma recente pesquisa realizada pela Ebit identificou que 84% dos consumidores online ativos pretendem aproveitar a data para comprar. Ainda segundo a pesquisa, a expectativa é que o faturamento, somente na sexta-feira, chegue a R$2,1 bilhões, um crescimento nominal próximo de 30% em relação à edição de 2015, quando as vendas alcançaram R$ 1,6 bilhão.

Diante desses números, se você tem um varejo, online ou offline, não dá para ficar de fora. Porém, é preciso se preparar: estoque, tecnologia aplicada à operação, gestão logística e a oferta de diversas opções de pagamentos são alguns dos pontos essenciais. Nesses anos de experiência, vi muitos e-commerces investirem em marketing para Black Friday – o que também é importante – mas escorregarem na hora de atender à alta demanda. Além de criar problemas com o consumidor e prejuízo para o negócio, uma promoção que não cumpre o que promete arranha a confiança do cliente e compromete futuras compras.
A essa altura do campeonato, alguns aspectos como reposição do estoque e a tecnologia para garantir a agilidade da operação já deveriam estar prontos. Mas, ainda é tempo de revisar alguns pontos para garantir o bom atendimento e, consequentemente, o bom faturamento na data.
Primeira coisa: avalie o perfil do seu cliente – o que ele mais busca em sua loja – e, se você participou da Black Friday do ano passado, analise quais foram os produtos mais vendidos. Esses produtos não podem faltar em seu estoque. Revise os custos e as despesas para ter certeza de que a margem de desconto que oferecerá ao cliente não gerará prejuízo; parece óbvio, mas, na ânsia de oferecer o melhor preço e ganhar o cliente, o varejista pode escorregar e tomar prejuízo.
Outro ponto importante: tenha certeza de que a operação de separação e despacho de pedidos fluirá bem, mesmo diante de um aumento de demanda. O consumidor quer comprar e receber o quanto antes, independentemente se há aumento no volume de pedidos.
E, claro, conte para seus clientes, e para o maior número de pessoas possível, que você está preparando promoções especiais para a Black Friday. As alternativas vão desde divulgações nas redes sociais, banners em portais e blogs com boa audiência, até links patrocinados em sites de busca. Neste último caso, recomenda-se ampliar o número de palavras e ser criativo na escolha dos termos que mais podem atrair cliques para a loja. O e-mail Marketing, se bem utilizado, também é uma ferramenta muito eficaz.
E, para garantir que a Black Friday seja uma data realmente positiva para o seu negócio mesmo depois do dia 25 de novembro, não descuide do pós-venda. O aumento na demanda também costuma ampliar o volume de devoluções. É isso; esteja preparado e aproveite essa Black Friday.
Stelleo Tolda é COO (Chief Operating Officer) e co-fundador do Mercado Livre.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.