4 lições que os grandes empresários têm a ensinar aos pequenos

Daniel Fernandes

17 de outubro de 2016 | 09h40


Lendo biografias de grandes empreendedores, os grandes mesmo – Jorge Lemann, Richard Branson, Arianna Huffington, Steve Jobs, Henry Ford, Anita Roddick, por exemplo -, consegui pinçar algumas características em comum em todos eles, principalmente no começo da empresa, antes de se tornarem supergrandes.
E, o mais importante, acredito que estes grandes empresários e empresárias reforçam alguns ensinamentos simples, do tipo que não importa o tamanho de negócio que você tem ou quer ter, algumas coisas são sempre úteis e podem ser colocadas em prática com facilidade – e o mais provável é que você já saiba da importância delas.
Por via de dúvidas, sempre é bom reforçar estes 4 pontos fundamentais a grandes e pequenos:
1. Curiosidade. Uma coisa é certa, todo empreendedor desenvolve uma certa curiosidade sobre o mundo, o mercado, o produto, a indústria ou o consumidor. O empreendedor sempre está pensando sobre as coisas acontecendo, analisa, e realmente se diverte com o processo de entender como as coisas funcionam.
Todo empreendedor é um grande questionador, e faz perguntas o tempo todo, não apenas aos outros, mas principalmente pergunta a si mesmo como as coisas realmente deveriam ser feitas, melhoradas, e se tem uma forma nova, melhor, de fazer, apenas esperando para ser descoberta.
Curiosidade é algo que inspira o aprendizado. Os grandes empreendedores conseguiram entender o consumidor de formas que nem o próprio consumidor sabia.
2. Pensar grande. Mesmo que seja pequeno – se comparado com a gigante Google – um bom empreendedor sempre está pensando grande. Muito mais do que sua capacidade. Portanto nunca devemos subestimar o tamanho do pensamento, pois esteja certo de que é sempre algo além do normal, e isso é uma força fantástica.
Agora, se você pensa que a motivação é o dinheiro, está enganado. A ambição geralmente está em deixar uma marca no mundo, na família, na comunidade. Existe um desejo meio louco, dentro de cada empreendedor, de mudar o mundo através da empresa, do que a empresa faz, das pessoas que trabalham na empresa e de como se relacionam com o consumidor.
3. Disciplina. Nos negócios, disciplina pode significar muitas coisas – desde execução rigorosa de metas a estar focado nos custos. Disciplina também significa uma capacidade de permanecer no rumo traçado mesmo quando o mercado não está positivo – como na atual crise que vivemos, por exemplo. Em momentos de dificuldade, os bons empreendedores ficam na linha e tentam fazer o trabalho o melhor possível, até a tempestade passar.
Antes de alcançarem o sucesso, os grandes empreendedores desenvolveram hábitos disciplinados no seu dia a dia – sim, eles aprenderam isso. Inúmeros estudos mostram que pessoas que tem a força de vontade de acordar cedo – o estudo aponta especificamente o horário das 5 da manhã – tem mais sucesso em todos os aspectos de sua vida. Algo do tipo: menos procrastinação e mais ação.
4. Malucos. Todo empreendedor mostra alguns traços marcantes de personalidade que os demais podem considerar loucura. Grandes decisões tomadas da noite para o dia, assumir grandes riscos sem aparente necessidade, e uma dedicação obstinada nos objetivos desejados realmente podem ser catalizadores para uma vida realmente louca, porém de muito sucesso.
A verdade é que a maioria dos empreendedores de megassucesso o alcançaram por se recusarem a se encaixar em um padrão predefinido, e tiveram como ponto de partida uma perspectiva diferente, divergente.
Com tudo isso, acredito que, se não der pra ser um grande bilionário, ao menos se possa ser um pequeno empreendedor bem-sucedido.
Ivan Primo Bornes – o fundador do Pastificio Primo – escreve toda semana no Blog do Empreendedor. Quer fazer uma pergunta ou comentário? Receber uma dica? Escreva para ivan.primo@pastificioprimo.com.br
 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: