10 dicas para o empreendedor desenvolver a inteligência emocional

10 dicas para o empreendedor desenvolver a inteligência emocional

Ter empatia, saber se comunicar e gerenciar as emoções devem ser praticados todos os dias em busca da inteligência emocional; confira as dicas de consultor do Sebrae

Redação

05 de maio de 2021 | 10h48

Por Rafael de Souza, consultor de negócios do Sebrae-SP

De acordo com a pesquisa Tracking the Coronavirus 2020 realizada pela Ipsos, como consequência do novo surto do coronavírus, 41% dos brasileiros têm sofrido de ansiedade, sendo que as mulheres são as mais afetadas. Enquanto 49% se declaram ansiosas, 33% dos homens estão lidando com o sintoma no momento.

É de se esperar tal sintoma entre outras questões emocionais. Afinal, como lidar com isolamento social, restrição de funcionamento presencial da empresa, queda no faturamento, medo de ser contaminado pela covid-19 ou de perder alguém querido para esta doença e, por fim, lidar diariamente com outras tantas imprevisibilidades causadas pela pandemia?

Antes de responder a esta pergunta, você já parou para refletir que a pandemia antecipou muitos avanços tecnológicos e exigiu que as empresas inovassem? Pois bem, inovar exige que o empreendedor saia da zona de conforto para enfrentar o novo, isto também gera ansiedade.

Diante do cenário e dos desafios citados até aqui, é imprescindível que o empreendedor desenvolva sua inteligência emocional. É com essa competência que ele conquistará o tão sonhado sucesso pessoal e profissional.

Mas o que é inteligência emocional?

De acordo com o escritor e palestrante sobre o tema, Daniel Goleman é “a capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e dos outros, de nos motivarmos e de gerir bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos”.

Foto: Junior Reis/Unsplash

Empreendedor, conheça a seguir 10 dicas para o desenvolvimento da sua inteligência emocional. Elas podem ajudar nesta jornada de desenvolvimento pessoal e profissional, permitindo que você supere os desafios diários de forma mais equilibrada entre racional e emocional.

  1. Busque o autoconhecimento, se possível com um apoio profissional. Existem muitas ferramentas que podem ajudar a entender melhor o seu perfil, qualidades e pontos a melhorar para você aproveitar melhor suas competências.
  2. Observe e analise o seu comportamento, tenha cuidado para levar a própria vida no “piloto automático”, fique atendo com os “gatilhos” que despertam cada uma das suas emoções básicas (medo, tristeza, alegria, raiva e nojo).
  3. Gerencie as suas emoções. Não adianta apenas observar e analisar o seu comportamento se você não conseguir gerenciar suas emoções. Estou te lembrando de um conselho que possivelmente já ouviu dos seus avós: conte até 10 e não aja por impulso, possivelmente você falará coisas e tomará decisões no calor da emoção que não atrairão bons resultados.
  4. Foque em atuar dentro da sua zona de influência, ou seja, saiba identificar o que é de sua responsabilidade e atue como protagonista para agir, além de delegar o que pode para sua equipe. Nada de terceirizar toda a culpa de maus resultados da empresa, faça a sua parte.
  5. Seja empático. O “outro” tem uma história de vida, valores, crenças, entendimentos, emoções e necessidades que são só dele. A empatia está relacionada a entender o outro nas necessidades e expectativas dele (“calçar os sapatos do outro”), não é oferecer ao outro o que você gostaria de receber.
  6. Saiba se comunicar. Essa competência ajudará em muitas atividades como: liderar melhor sua equipe, fazer boas negociações, desenvolver uma valiosa rede de contatos para parcerias, atrair e fidelizar clientes pelo bom atendimento.
  7. Conheça seus limites e busque apoio sempre que precisar. Nada de achar que é o “Super Homem” ou a “Mulher Maravilha”, permita-se errar, descansar, compartilhar suas fragilidades com quem pode ajudar a se desenvolver, querer ser “forte” 100% do tempo pode se tornar a sua maior fraqueza.
  8. Trabalhe o seu modelo mental. Busque atuar no modelo de crescimento em que você seja uma pessoa de atitude, que tem autoconhecimento, que gerencia suas emoções, que foca na solução e sempre vê “o copo meio cheio”, afinal, enquanto alguns choram outros vendem lenço.
  9. Não crie problemas de estimação, aqueles os quais você se apoia para se manter na zona de conforto, tais como: “não tenho tempo” (ou seria prioridades?), “…e se não der certo?” (mais e se der certo?), “nunca fiz isso, não sou capaz” (você já não fez tudo que sabe pela primeira vez?).
  10. Pratique todas as dicas anteriores todos os dias, assim como ir apenas um dia na academia não lhe torna mais forte e saudável, praticar a inteligência emocional um dia ou outro também não lhe permitirá se desenvolver, visto que é a constância, disciplina e os bons hábito que farão você desenvolver sua Inteligência Emocional.

Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo. Se quiser apenas receber notícias, participe da nossa lista de distribuição por esse link ou digite @canalsuacarreira na barra de pesquisa. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.