ESTADÃO PME » » notícias

Oportunidade| 13 de agosto de 2012 | 7h 32

Gaúcha aposta em franquia de tabacaria para faturar até R$ 7,8 milhões

Com 4 quiosques e 2 lojas próprias, Candice Cigar Co estima faturamento mensal a partir de R$ 60 mil por unidade

Renato Jakitas, Estadão PME

Divulgação
Divulgação
Candice Marroco prevê crescer 30% até o final do ano com a adesão de, pelo menos, 6 franqueados

Ganhar dinheiro com a venda de tabaco em tempos de Lei Antifumo, que proíbe o consumo em locais fechados em todo o País, e de impostos fixados para frear o consumo – a alíquota do IPI chega a 41% sobre o preço do cigarro – parece uma tarefa inglória no Brasil. Não é o que pensa, entretanto, a empresária Candice Marroco. Ela acaba de inaugurar uma franquia de tabacaria e, na esteira dos resultados iniciais do negócio, faz plano de faturar R$ 7,8 milhões até o final do ano.

“As pessoas misturam cigarro com cachimbo e charuto. São coisas que não têm a ver uma com a outra. Minha empresa é de charuto, um produto que se degusta, não que se fuma. E que tem muito mercado hoje em dia”, garante Candice, que há 20 anos é dona da Candice Cigar Co, rede de tabacarias que desde junho procura parceiros para seu novo formato de franquia.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

“A gente estima um faturamento que pode ir de R$ 60 mil a R$ 160 mil mensais por quiosque, dependente do ponto. Nossas unidades próprias tem faturamento médio de R$ 68 mil”, conta a empresária, que dispõe de 6 unidades no Rio de Janeiro – 4 quiosques e duas lojas –, e em 2011 contabilizou um resultado bruto de R$ 6 milhões. “Nossa expectativa é de crescer 30% até o final do ano com a adesão de pelo menos seis franquias”, conta.

Cada quiosque da Candice Cigar Co requer investimento total de R$ 110 mil, que não leva em conta o aluguel do ponto. Além dos charutos, que representam 40% do mix de produtos, a tabacaria busca diversificar o portfólio com acessórios (isqueiros, cinzeiros e charuteiras) e presentes, como canetas, fichas de pôquer e canivetes.

“No passado, quando o filho fazia 15 anos, o pai costuma dar de presente uma caneta Mont Blanc ou um canivete suíço, produtos que eram encontrados na tabacaria. Com a Lei Antifumo, os empresários do setor se assustaram e correram para colocar um monte de produtos chineses na loja, desvirtuando o canal. A gente faz sucesso justamente por se manter fiel ao modelo do negócio”, destaca a Candice, que estima o desembolso médio do cliente em R$ 30 no ponto de venda.

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo