ESTADÃO PME » » notícias

Negócios| 15 de abril de 2015 | 6h 59

Empresa investe em risoto no copo que fica pronto em 1 minuto para ganhar mercado

Stival investe em produtos com valor agregado para ganhar espaço no País

Gisele Tamamar, Estadão PME

Desde sua fundação em 1971, a empresa paranaense Stival tem como forte a venda de commodities, como o feijão. Mas em 2010 a proposta de nacionalizar a empresa evidenciou a necessidade de investir em produtos inovadores. O resultado foi o lançamento de uma linha alimentos, cada um com um diferencial, com destaque para o risoto instantâneo no copo, no estilo Cup Noodles. Para este ano, a novidade será uma linha de massas, sopas e risotos semiprontos - será preciso adicionar água e colocar no micro-ondas.

Alexandre Stival prepara o lançamento de uma nova linha
Alexandre Stival prepara o lançamento de uma nova linha
Divulgação

::: Saiba tudo sobre :::
Mercado de franquias
O futuro das startups
Grandes empresários
Minha história

A empresa foi criada por Antonio Stival em 1971, em Campo Largo, no Paraná. Começou com a venda de farinhas, passou a vender feijão e arroz, mas enxergou nos produtos semiprontos e instantâneos o caminho para se diferenciar no mercado. Hoje, a empresa está no comando da segunda geração, com o filho de Antonio, Alexandre, de 50 anos.

Desde os 12 trabalhando na empresa, Alexandre foi o responsável pela mudança de foco para produtos mais práticos. "Para nacionalizar, precisamos de produtos de maior valor agregado para compor o frete. Como sair do Paraná e chegar no Nordeste? O frete se tornava um empecilho", explica Alexandre.

A ideia de investir em produtos instantâneos surgiu depois de duas viagens à China. "Vi muito esses produtos em copo, as pessoas comendo nas ruas e isso chamou minha atenção", conta. Com a proposta investir nesse tipo de produto no Brasil, Alexandre tinha a intenção de trazer o mesmo produto: o macarrão. Mas ao mesmo tempo, uma segunda empresa brasileira investiu no produto, mas não sobreviveu à concorrência com a Nissin.

O fato serviu de alerta para a Stival, que passou a desenvolver um produto próprio - o processo durou quatro anos. "Não podíamos criar nada parecido senão a Nissin ia matar a gente", afirma. A solução foi trabalhar o conceito de risoto instantâneo no copo, produto da linha Rice Cup, lançado no ano passado. O prato fica pronto em um minuto (basta colocar água quente e vem com uma colher) e tem forte apelo entre os consumidores mais jovens.

Nova aposta. Para atrair um público com uma faixa etária maior, a Stival prepara o lançamento da linha Momento Gourmet, em maio. Serão sopas, massas e risotos no copo, que ficarão prontos depois de cinco a dez minutos no micro-ondas. "Já estamos cadastrando as redes antes de lançar o produto", diz Alexandre.

Negócios. Nos últimos três anos, a Stival manteve uma média de crescimento de 20%. No entanto, no ano passado, a previsão era chegar a um faturamento de R$ 114 milhões, mas o ano fechou perto dos R$ 90 milhões. O número abaixo do esperado é resultado da dependência da empresa para as commodities. "Foi o pior ano de preço. Vendemos mais em quilos, mas o faturamento foi menor", lamenta Alexandre.

No entanto, o empresário mantém a previsão para 2015 de faturar R$ 135 milhões. "Está todo mundo sofrendo agora, mas estamos fazendo a nossa parte. Sou um cara muito otimista, vejo oportunidades até nas dificuldades. A Stival sempre foi assim: foi justamente onde a economia estava mais travada que mais crescemos", diz. "A nossa visão é de inovação. As gôndolas de supermercado não são elásticas. Só vai caber se o produto for diferente", completa.

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui