ESTADÃO PME » » notícias

Oportunidade| 08 de agosto de 2012 | 8h 19

Confira cinco dicas para não cair em armadilhas na hora de escolher uma franquia

Especialista André Friedhein, da Francap, explica o que evitar para se dar bem no segmento de franchising

Renato Jakitas, Estadão PME

Divulgação
Divulgação
André Friedhein, da Francap, para quem o empreendedor, algumas vezes, não tem perfil para franqueado

Depois de planejar, o empresário não quer correr o risco de perder tudo em um investimento que não seja lucrativo – embora esse risco sempre exista. Para minimizar as chances de insucesso, o modelo de franquias traz, além de um modelo de negócio já testado, previsões mais precisas sobre faturamento e lucratividade.

Mas antes de sair à caça de uma oportunidade no mercado de franchising ou de assinar o contrato que o coloca como parceiro do negócio, o candidato a franqueado deve atentar-se a alguns pontos. Para tratar do assunto, o Estadão PME procurou André Friedhein, sócio-diretor da Francap, consultoria especializada no tema. Ele apontou cinco armadilhas que podem sacramentar o insucesso da franquia. Confira.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

Você é gestor ou empreendedor?
O empresário pode ter dinheiro no bolso e horas debruçadas sobre livros de gestão. No entanto, sem uma análise profunda sobre seu perfil profissional, o futuro da empreitada pelo franchising é incerta.

"As pessoas confundem as coisas. Um franqueado não precisa, necessariamente, ser um empreendedor nato. Ao contrário, é melhor que ele tenha um perfil gerencial. Empreendedores tendem a se sentir amarrados pela estrutura da franquia, onde todas as mudanças devem ser submetidas à aprovação do franqueado máster”, afirma André.

Para ele, pessoas com estilo extremamente criativo, devem partir para voos solos. “É melhor montar sua marca própria e crescer assim, de maneira independente.”

Acumular gordura antes de investir
Quando se avalia um ou outro investimento no mercado de franchising, é de praxe levantar entre as opções estudadas o investimento inicial necessário para cada negócio. Feito isso, o empresário vai saber quanto o empreendimento requer de taxa de franquia, royalties, participação de propagada e capital de giro.

No entanto, André Friedhein alerta que é recomendável, além das exigências contratuais, reservar uma poupança para a saúde do negócio. Pelo menos 50% do capital investido.

“Se a franquia exige R$ 500 mil, o empresário precisa ter outros R$ 250 mil no banco. Esse dinheiro pode ser importante para aportes de última hora, o que é muito comum nos primeiros meses de atividade, mesmo se tratando de uma franquia”, destaca.

O ponto é fundamental
Quando a franquia envolve comércio e serviço, uma localização geográfica ruim é um dos principais fatores de insucesso em muitos empreendimentos. Assim, é fundamental contar com estudos que mensurem a adequação do público ao produto da empresa, ou levantar a demanda do local para determinado negócio.

Além da franqueadora, existem consultorias que podem auxiliar o empresário nesse momento. Vale a pena investir nesse estudo antes de se decidir por um determinado endereço.

Converse com, ao menos, três franqueados
O segmento de atuação soa interessante, a estrutura da franqueadora parece ideal, o investimento inicial necessário cabe em seu bolso. Tudo parece perfeito para assinar o contrato e começar a parceiro. No entanto, todo cuidado é pouco. Antes de concluir a transação, saia a campo e busque por outros franqueados da mesma empresa.

Na pauta do bate-papo, investigue o suporte da franqueadora para com os parceiros, certifique-se de que o sistema de distribuição é eficaz, que o diálogo é franco. Enfim, que o prometido é mesmo aquilo que, depois, se entrega.

Analise o contrato com cuidado
O contrato de franquia é um típico contrato de adesão. Isso quer dizer que, no papel assinado e reconhecido firma, estão estabelecidas as regras e deveres de ambas as partes envolvidas – o franqueado e o franqueador. Portanto, leia tudo com muito cuidado.

“Uma vez assinado, o vínculo estabelecido acarreta em ônus por parte de quem decidir rompê-los. É importante a consulta a um advogado para a análise do material”, destaca o especialista.

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui



Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo