ESTADÃO PME » » notícias

Economia| 17 de julho de 2012 | 6h 20

Cervejaria de Belém do Pará vai exportar sabores da Amazônia

Empresa inaugurou novo parque fabril para assim ampliar a capacidade de produção e atender a demanda do exterior

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME

Raimundo Paccó/AE
Raimundo Paccó/AE
Arlindo Guimarães ainda pretende crescer no País antes de iniciar as exportações

Os norte-americanos, asiáticos e europeus vão conhecer os sabores da cerveja artesanal da Amazônia no ano que vem. A Amazon Beer, cervejaria com sede em Belém, pretende exportar seus produtos já no primeiro semestre de 2013. A intenção é surpreender o mercado internacional com uma mistura de malte e frutas típicas da região.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::


“O mundo está globalizado e a cerveja é mundial. Acredito que temos um produto com potencial grande e único, com um forte apelo da Amazônia”, avalia o diretor da cervejaria, Arlindo Guimarães, de 53 anos. A Taperebá Witbier, um dos produtos que serão exportados, tem 4,7% de teor alcoólico e foi lançada este ano. A bebida é aromatizada com o fruto, também conhecido como cajá, e leva dois tipos de malte: trigo e cevada.

Criada em maio de 2000, a cervejaria cresce em média 20% ao ano. Para 2012, a meta é alcançar 30% e em 2013 faturar 70% a mais com a expansão para o mercado internacional. Para pavimentar esse caminho, no ano passado foram investidos R$ 9,1 milhões na inauguração de um novo parque fabril no Distrito Industrial de Belém.

O local hoje pode produzir 70 mil litros por mês, mas a meta da Amazon Beer é dobrar a capacidade quando as exportações ganharem espaço. Caso seja necessário, com pequenos ajustes na planta, a produção pode chegar a 300 mil litros todos os meses.

A ideia da Amazon Beer surgiu quando Guimarães pesquisava novos negócios para investir – na época ele era sócio de uma franquia da Totvs, empresa de software, serviços e tecnologia. “Sempre gostei de cerveja e vinho, mas ficava nas marcas tradicionais. Não tinha acesso a cervejas especiais e faltava conhecimento”, lembra o empreendedor.

Quando decidiu abrir o negócio, Guimarães precisou estudar o mercado e, principalmente, acertar na escolha do mestre cervejeiro. Ele optou por Reynaldo Fogagnolli, que já trabalhou na Brahma e fez cursos na Alemanha. No início, a produção era de apenas 12 mil litros ao mês. Hoje, são produzidos 100 mil litros.

Mas antes de focar nas exportações, o planejamento do empresário, neste ano, é consolidar a Amazon Beer no mercado brasileiro – atualmente, as cervejas da Amazônia podem ser encontradas no Distrito Federal, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e, claro, no Pará.

Atualmente, as variedades especiais da bebida representam entre 4% e 5% do mercado brasileiro de cervejas. Na avaliação da presidente da Associação Brasileira dos Profissionais em Cerveja e Malte (Cobracem), Cilene Saorin, a expectativa é atingir 10% em dez anos. Mas o cenário positivo vai depender, principalmente, de três aspectos: econômico, demográfico e também o cultural.

O primeiro, para Cilene, é o mais importante e inclui investimentos em infraestrutura, transporte e energia. Mas o setor pode se beneficiar do envelhecimento da população, que hoje têm mais condições de comprar esse tipo de produto. Há ainda o aspecto cultural. “O movimento beba menos e melhor é uma tendência comportamental dos brasileiros”, analisa Cilene Saorin.

Sobre a busca do mercado internacional pela Amazon Beer, Cilene acredita que a empresa tem potencial para dar certo e uma bela estratégia de negócios. “A própria essência da empresa, por si só, é um apelo interessante. Ela tem uma identidade forte com ingredientes típicos e uma valorização do regional”, avalia a especialista.




Notícias Relacionadas

» Descubra como o empreendedorismo salvou toda uma cidade



Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui