ESTADÃO PME » » notícias

Economia| 09 de agosto de 2012 | 7h 04

Cachaça ganha status de bebida premium e sabores exóticos

Weber Haus tem bebidas premiadas e exporta produção

GISELE TAMAMAR, ESTADÃO PME

Divulgação
Divulgação
Weber Haus segue um processo de produção artesanal com uso de tecnologia

Quando a família Weber chegou ao Brasil, mais especificamente em Ivoti no Rio Grande do Sul, em 1824, a tradição era fazer schnaps, um destilado de batata inglesa para consumo próprio. A tradição de produzir cachaça é mantida até hoje pelos descendentes, mas a variedade é muito maior e a bebida ganhou patamar premium com reconhecimento internacional.

São cachaças envelhecidas em barris especiais e bebidas com sabores variados, desde banana a hortelã e abacaxi. A cana de açúcar começou a fazer parte da produção da bebida em 1848. Mas foi só 100 anos depois que a família partiu para a comercialização do produto. O nome escolhido para a bebida foi Primavera, a estação mais agradável para os alemães, nem tão fria e nem tão quente.

::: Siga o Estadão PME nas redes sociais :::
:: Twitter ::
:: Facebook ::
:: Google + ::

Em 2001, junto com modernização da produção veio a mudança do nome para Weber Haus. "Descobrimos que a marca Primavera não era nossa", conta o diretor comercial da empresa, Evandro Luis Weber, 41 anos, da terceira geração da família desde o início dos negócios.

A Weber Haus segue um processo de produção artesanal cuidadoso, mas tem como diferencial o uso da tecnologia nas técnicas de controle da produção. O corte da cana é manual e a moagem é feita em até 24 horas após a colheita para manter as propriedades do produto. As leveduras utilizadas na fermentação são selecionadas.

Já durante o processo de destilação, somente o "coração" da cana é utilizado. Mesmo com a redução do volume da produção, a empresa prioriza a qualidade da bebida ao descartar a "cabeça" e a "cauda" de qualidade inferior. O envelhecimento da bebida é feito em barris de madeira, variando entre carvalho americano, carvalho francês, bálsamo, amburana e cabreúva.

Para o fim do ano, a empresa prepara o lançamento da cachaça destilada em 1998 e envelhecida durante 12 anos em barris de carvalho francês e bálsamo, designada como Lote 48. Serão lançadas menos de 2 mil garrafas com preço de R$ 1,2 mil cada. "Temos 200 reservadas", conta o diretor. Quem preferir por outras opções, a cachaça premium varia de R$ 40 a R$ 180. Já as com polpa de frutas custam entre R$ 25 a R$ 45.

Exportações
Atualmente, as exportações representam 30% do faturamento. O primeiro lote enviado para fora do País foi para o Triângulo das Bermudas, entre 2006 e 2007. No ano seguinte, as bebidas chegaram nos Estados Unidos, depois Alemanha, Canadá, Irlanda, Itália e China.

Este ano, para aproveitar a exposição do País com a Copa do Mundo, a Weber Haus lançou a linha Lundu, com polpa de frutas como açaí e cupuaçu e embalagens com as cores verde e amarela. A empresa também é responsável pela fabricação da cachaça que leva o rótulo da churrascaria Fogo de Chão.

A cachaçaria tem capacidade para produzir 500 mil litros por ano. Hoje eles produzem entre 120 mil e 130 mil porque ainda não tem demanda para venda.

Estadão PME - Links patrocinados

Anuncie aqui